Opinião

Operações financeiras

O banco central é o executor da política monetária, por meio do seu poder de ditar as normas mediante as quais comprime ou expande os recursos monetários da economia.

O banco central é o executor da política monetária, por meio do seu poder de ditar as normas mediante as quais comprime ou expande os recursos monetários da economia.
Além disso, um banco central determina a parcela das reservas obrigatórias ou compulsórias a serem mantidas pelos bancos comerciais com a finalidade de atender ao momento de caixa.
Os bancos comerciais obtêm fundos líquidos através de empréstimos ao banco central, sendo a taxa de juros paga pelos primeiros conhecida como taxa de redesconto. A função do banco central é a de socorrer os bancos em dificuldade e deve ocorrer somente em última instância.
Os outros serviços prestados pelo banco comercial descrevem-se como transferência de fundos, cobranças de títulos, protecção e guarda de valores monetários e operações de câmbio, dentre outras, e linhas de créditos especiais, como crédito rural e crédito a operações de comércio exterior.
Ainda no sistema bancário, encontramos as demais instituições financeiras não bancárias compostas por associações de poupança e empréstimos, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento, companhias hipotecárias, cooperativas centrais e de crédito, sociedades de crédito, financiamentos e investimentos, sociedades de crédito imobiliário e sociedades de arrendamento mercantil.
Estas instituições não estão autorizadas a captar depósitos à vista. São pessoas jurídicas ou privadas que captam e cedem recursos de terceiros. Operam em segmentos especializados por meio de mecanismos específicos. Porém, estão autorizadas a emitir títulos financeiros para a captação de recursos de terceiros. Desta forma, destacam-se os bancos de investimento por terem atracção significativa no contexto das finanças das empresas.
Designam-se bancos de investimento as instituições financeiras não bancárias, portanto, não devem captar recursos por meio de depósitos à vista.
A função destes bancos é fundamentalmente viabilizar recursos com o objectivo de serem cedidos às empresas, a médio e a longo prazos por meio de financiamentos e empréstimos.
Quando nos referimos às empresas esses recursos serão colocados na circulação de capitais da empresa ou no capital fixo, permitindo uma melhor gestão de fluxo de caixa ou a melhoria e expansão do ciclo de produção.
No exercício desta função, os bancos de investimento utilizam recursos próprios e captam recursos de terceiros através de depósitos a prazo.
Ainda assim, existe um conjunto de intermediários e administradores de recursos de terceiros que é constituído pelas agências de fomento, administradores de consórcio, sociedades correctoras de câmbio, sociedades correctoras de títulos e valores mobiliários, sociedades de crédito ao micro empreendedor, fundos de investimentos e outros.
Estas instituições não captam e não cedem recursos, realizam exclusivamente operações financeiras em nome de investidores ou tomadores de recursos e apenas prestam serviços em relação às actividades inerentes ao mercado financeiro.
As bolsas de mercadorias e futuros e a de Valores constituem um conjunto que de certa forma auxiliam as instituições financeiras a efectuarem diversas operações de intermediação financeira.
Estas bolsas de mercadorias e de valores ampliam essencialmente a liquidez e reduzem os riscos para investidores e tomadores de recursos através da garantia de transparência de proporção de informações que zelam pela segurança dos negócios realizados sob suas regras e dependência. Logo, elas não captam e não disponibilizam recursos. Em gesto de conclusão, diz-se que é no mercado financeiro que o gestor deve aplicar os recursos disponíveis no caixa e eventualmente buscar os fundos para financiar as actividades empresariais.