Opinião

O preço da monografia

O trabalho de conclusão do curso (TCC), para uns e de fim do curso (TFC) para outros, acarreta um valor económico muito grande para o estudante, o que vai se traduzir no aumento da sua capacidade intelectual.

O trabalho de conclusão do curso (TCC), para uns e de fim do curso (TFC) para outros, acarreta um valor económico muito grande para o estudante, o que vai se traduzir no aumento da sua capacidade intelectual.
O investimento realizado na construção deste importante instrumento de certificação das capacidades de iniciação à investigação científica do recém-formado começa com a apresentação do pré-projecto, que é na verdade, um conjunto de páginas, onde o aspirante ao título de licenciado procura espelhar a identificação da instituição do ensino superior onde está vinculado, o tema para o qual se propõe investigar, nome e, se for uma defesa colectiva, os demais integrantes, bem como o nome do orientador e co-orientador caso haja. Na verdade, a sua estrutura difere de acordo a área de formação.
Às vezes, a inexperiência do estudante é tanta que chega a refazer o pré-projecto cinco seis ou mais vezes. E neste vai-e-vem, se contabilizarmos o investimento no táxi, para uns e combustível para outros, o papel para impressão, o tempo para redigir o trabalho, os manuais consultados, as contas são altas. Ainda assim, vale a pena apostar.
Para se realizar o trabalho de iniciação à investigação científica dentro dos marcos da ciência e reduzir as discussões na banca, precisamos que se criem os normativos que trazem todos detalhes a ter em conta durante a execução do trabalho. Algumas instituições de ensino superior como a Metropolitana e João Paulo II só para citar já alcançaram esta meta.
Por um lado, as aulas de iniciação à metodologia de investigação científica devem ter como foco os conteúdos de iniciação à metodologia de investigação científica leccionados nas instituições de ensino superior onde estão vinculados.
Para mim, mais do que qualquer outro conteúdo, é preciso privilegiar o normativo da instituição, pois é o principal instrumento, onde o jurado baseia-se para aferir à qualidade da investigação apresentada pelo candidato.
Por outro, os trabalhos que os professores forem orientando,durante o período de licenciatura, devem ter como matriz o normativo da instituição. O outro elemento não menos importante é o interesse e a capacidade intelectual do próprio estudante, pelo que precisamos de estudantes universitários de jure e de facto, comprometidos com a causa da ciência e não meros “abutres de diplomas”.
O outro factor considerado determinante para um trabalho de fim do curso e com sucesso é o orientador. Na verdade, o orientador constitui o principal fio condutor da investigação. Pois é ele que define os livros que serão utilizados durante a investigação, a estrutura do trabalho de fim do curso, bem como a metodologia, as técnicas de pesquisa e os diferentes instrumentos necessários para o sucesso da investigação científica.
Ao orientador ou “tutor” que em alemão significa (o pai do doutor) são exigidas competências comprovadas em investigação científica, habilidades em indicar os instrumentos adequados à investigação, disponibilidade e disposição para orientar os trabalhos
de fim de curso de licenciatura.
A sua elaboração exige do orientador e orientando domínio do normativo da instituição para o qual estão vinculados, a construção de uma estrutura que reflecte o que os entendidos na matéria já escreveram sobre o assunto, o que tecnicamente se designa por referencial teórico, a descrição geográfica do campo da investigação e, por último, a apresentação dos resultados da pesquisa, para o ramo das ciências sociais.
Durante a investigação científica, o estudante investe na aquisição de novos livros que vão aguçar a sua capacidade intelectual, a impressão de vários exemplares que serão corrigidos até atingir a qualidade necessária, testar os questionários e inquéritos que, de uma ou de outra forma, implicam custos.
Os pagamentos aos orientadores constituem, igualmente, a outra parte de encargos inerentes ao processo de elaboração, execução e apresentação de um trabalho de fim do curso.
Dados postos a circular nos bastidores indicam que os preços para depositar um trabalho de fim do curso na secretaria diferem
de instituição para instituição.