Opinião

Gestão do crédito

O crédito bancário estimula o consumo e produção, ao mesmo tempo impulsiona o investimento.

De acordo com a história, as instituições bancárias surgiram inicialmente na Grécia antiga e em Roma, a partir dos cambistas (de acordo com a cultura angolana, actualmente denominadas por kinguilas) que se aproveitaram a diversidade da moeda existente na época para realizar trocas entre elas, obtendo assim pequenas vantagens nessas transacções.
Estas actividades expandiram-se pela possibilidade de recebimento de depósitos em dinheiro e a oferta de empréstimos com recursos próprios mediante à cobrança de um acréscimo no próximo empréstimo.
Porém, passado algum tempo, estes percebendo que emprestando os seus recursos aos demais poderiam fazer dessa actividade um negócio rentável, para atrair novos clientes, passaram a pagar uma taxa aos depositantes uma espécie de aluguer que hoje designamos de taxa de juros. Estes cambistas pagavam taxas aos depositantes e cobravam taxas ainda mais altas aos tomadores de empréstimos usufruindo deste modo da diferença de valores.
O termo crédito provém do latim – creditu – que quer dizer ‘confiança que nos inspira alguém ou alguma coisa’, confiança esta que surge num relacionamento bilateral, onde ambas as partes assumem um compromisso e comprometem-se em cumprir e respeitar-se mutuamente. O crédito representa a entrega do bem mediante uma promessa de pagamento, isto é, o crédito bancário é uma operação pela qual um banco põe determinada soma à disposição do beneficiário, com a garantia de este lhe pagar os juros convencionados e de lhe restituir na data fixada para o reembolso, importância correspondente a que havia sido emprestada.
Há ainda quem afirme que o crédito bancário é nada mais, nada menos, do que uma modalidade de empréstimo de dinheiro. Trata-se de um produto financeiro de cedência de capital a empresas ou particulares assente na confiança existente neste relacionamento bilateral. O principal objectivo da elaboração de um contrato de cedência de crédito da parte das instituições bancárias é a obtenção do lucro sob a forma de juros pagos pelos clientes que acrescentarão ao capital cedido pelo banco e que irão devolver ao longo de um determinado período de tempo acordado entre ambas as partes.
No entanto, esta modalidade de empréstimo tem para as empresas custos avultados devido ao pagamento das taxas de juro aplicadas pelas instituições financeiras. Tal como as empresas, o crédito a particulares tem as suas vantagens e desvantagens.
Independentemente das instituições bancárias existentes no mercado angolano e do tipo de empréstimo a efectuar, apresento-lhe as principais características do crédito bancário: Só as instituições credenciadas pelo Banco Nacional de Angola podem efectivar este acto; O mesmo é concedido a empresas ou a particulares; É possível executar-se nas modalidades de reembolso ou assinatura; Garantia da obtenção de lucro por parte das instituições bancárias;
Quanto ao freguês proporciona a liquidez necessária num determinado momento.
As demais características do crédito bancário são específicas de cada produto existente na instituição com base na finalidade, prazo, preço,
montante, risco e garantias.
As vantagens do crédito bancário permitem um acesso imediato ao valor solicitado, podendo deste modo responder a alguma necessidade urgente. A principal vantagem do crédito reside em aplicar a conta bancária do indivíduo. Contudo, a má gestão destes recursos poderá criar outras dívidas.
A organização da vida financeira é também uma vantagem, visto que, com a injecção de capital, o sujeito pode reorganizar a sua vida financeira, gerindo as despesas do modo que lhe for mais conveniente.
O crédito bancário estimula o consumo e produção, uma vez que quer a empresas, quer a particulares, contribuem para o desenvolvimento da economia e impulsionam o investimento. É uma vantagem directa para o consumidor, mas não deixa de ter a sua importância. O acto de pagamento varia consoante o perfil do cliente, podendo ser estipulados diferentes montantes e prazos de pagamento. Obrigatoriamente o cliente tem de pagar um empréstimo e conta com o apoio da instituição para organizar o seu pagamen