Opinião

Demonstrações financeiras

No momento em que um agente económico toma a decisão de desenvolver uma actividade económica e empresarial, a primeira preocupação é a de atribuição de um nome jurídico à empresa.

No momento em que um agente económico toma a decisão de desenvolver uma actividade económica e empresarial, a primeira preocupação é a de atribuição de um nome jurídico à empresa. A sequência desta actividade económica vai dar origem a um relacionamento entre as empresas e o meio envolvente, nomeadamente, os fornecedores, clientes e o Estado que cumpre com o papel de regulador das actividades económicas num determinado território cobrando o devido imposto.
As demonstrações financeiras têm como principal objectivo determinar a rentabilidade que os gestores conseguiram com os recursos que obtiveram dos accionistas e dos financiadores. Por vezes essa rentabilidade somente pode ser medida a médio e a longo prazo. Daí que muitos gestores possam tomar decisões que aumentem os resultados a curto prazo em detrimento da adopção de medidas ou projectos de longo prazo. Assim, deverá existir um equilíbrio nos critérios de recompensa dos gestores. As demonstrações financeiras com finalidades gerais têm como objectivo proporcionar informação a cerca da situação financeira, do desempenho e dos fluxos de caixa da empresa, que sejam úteis para
a generalidade dos utentes.
As demonstrações financeiras estão orientadas para fornecer dados históricos. No entanto, é necessário para os utentes das informações que se ofereça dados relativos ao futuro da empresa planos, oportunidades, riscos, incertezas, factos que criem valor a longo prazo. A informação financeira apresentada deve ser útil para o utente das contas. Para tal, deverá deliberar não apenas dados financeiros históricos, mas também não financeiros e dados prospectivos de forma a permitir capacidade de previsão sobre o desempenho e os
fluxos de caixa no futuro.
Estas demonstrações são elaboradas de acordo com o pressuposto da continuidade. Na data da elaboração das mesmas, os gestores devem avaliar a capacidade da empresa para prosseguir a sua actividade. Se existirem dúvidas significativas, essas incertezas devem ser divulgadas. Os diversos intervenientes no processo de apresentação de contas, gestores e técnicos de contas, devem assegurar-se de que a empresa irá continuar em actividade, pelo menos, por mais um ano.
Nos últimos tempos, temos assistido a uma evolução qualitativa das demonstrações financeiras derivada da maior importância que é atribuída a demonstração de fluxo de caixa, ao uso de justos valor e a divulgação
de informação por segmentos.
As demonstrações financeiras devem fazer menção a actividade das empresas no período de um ano. As bases para apresentação das demonstrações financeiras, constituem nos componentes discriminados de informações como se segue:
No balanço, devem ser apresentados activos correntes e não correntes e passivos correntes e não correntes num determinado momento como classificações separadas na face que por norma relata o último dia do exercício económico.
No activo, estão evidenciados os valores dos bens, os direitos e outras aplicações de recurso em posse da empresa, capazes de gerar benefícios futuros, oriundos de eventos ocorridos no passado.
O passivo que compreende a origem dos recursos apresentados pelas dívidas da empresa para com terceiros ocasionados de eventos ocorridos e que apenas serão liquidados enquanto a empresa gerar activos,
O capital próprio reporta os recursos da própria empresa e o seu valor numérico, e é resultante da diferença positiva
entre o activo e o passivo.
No I trimestre de cada ano as empresas devem prestar contas ao stado no que toca ao pagamento dos seus impostos, deste modo é oportuno falar-se de
demonstrações financeiras.
Denominamos de demonstrações financeiras ao conjunto de documentos, relatos contabilísticos que espelham a condição económica e financeira das empresas.
Este conjunto de documentos tem como finalidade auxiliar os stakholders na tomada de decisões importantes relativas às mesmas.