Opinião

Crimes digitais

Os crimes digitais, conhecidos como de cibernéticos ou de alta tecnologia, representam as condutas criminosas cometidas com o uso das tecnologias de informação e comunicação, e também os crimes nos quais o objecto da açcão criminosa é o próprio do sistema informático. Todo crime actual tem alguma faceta digital, ou seja, de meio ou de fim.

Os crimes digitais, conhecidos como de cibernéticos ou de alta tecnologia, representam as condutas criminosas cometidas com o uso das tecnologias de informação e comunicação, e também os crimes nos quais o objecto da açcão criminosa é o próprio do sistema informático. Todo crime actual tem alguma faceta digital, ou seja, de meio ou de fim.
O incremento da criminalidade no meio digital naturalmente faz crescer o interesse social por conhecimento sobre estes ilícitos e é igualmente natural que muitos se aventurem a discorrer sobre o assunto. Apesar de não haver uma maior exposição, nos media, de notícias sobre crimes digitais e de “especialistas” comentando o assunto, facto é que não existe ainda uma lei regulatória no nosso país.
A falta de formação e conscientização da população para poder se defender desses crimes digitais, tornas-se um novo paradigma e novos riscos eminentes que, por sua vez, somos alvos de várias situações.
Em contraposição, com o surgimento da tecnologia conectadas a uma rede de computadores que liga a internet torna-nos mais vulneráveis aos crimes. Contudo, com a difusão de vírus, malwares, phishing, de computadores e o acesso aos sistemas informáticos sem segurança expõem-nos a acessar a links maliciosos.
Num conceito analítico, crime é a acção ou omissão típica, ilícita e culpável de um acto que viola uma norma moral de terceiros, segundo Patrícia Pinheiro, especialista em Direito Digitais.
Esse tipo de crime pode ser cometido através das fronteiras nacionais ou não e ainda são de difícil identificação dos autores. Assim, o combate aos crimes digitais vai se massificando, é fundamental a necessidade de uma legislação penal e acordos internos sobre estes crimes digitais, a fim de dotar as autoridades competentes, policiais e judiciais de instrumentos adequados à velocidade e complexidade técnica dos crimes de alta tecnologia.
Em todos esses casos, estamos a falar sobre os crimes digitais invasivos, que são especificamente aqueles onde o computador é utilizado ou como alvo ou como meio para alterar informações de outrem para danificar ou tirar proveito que, por sua vez, tem um efeito de comprometer a confidencialidade, integridade e disponibilidade de dados ou sistemas tecnológicos de uma entidade organizacional, com efeito a destruir e manipular dados de terceiros sem autorização.
A internet trouxe diversos benefícios à sociedade, mas também criou diversas novas devastações e uma delas é a utilização inapropriada da internet para a prática indevida destes crimes fraudulentos.
Esses crimes cometidos no âmbito digital, muitas vezes são nomeados como crimes cibernéticos, crimes digitais, crimes electrónicos, crimes da informática, cyber-crimes, fraudes electrónicas e outros, mas todos eles referem-se, à prática delituosa cometida no meio digital.
Os crimes digitais podem cometer mais de uma conduta lesiva ao mesmo tempo, estando em diversos lugares simultaneamente, infelizmente, ainda não contamos com muitos profissionais de segurança de crimes digitais capacitados para investigar uma determinada acção são considerados como fraudes, que por sua vez o sector bancário foi vítima de muitas destas fraudes de roubo de dados, transformação da informações confidenciais, muitas das vezes os “hackers” utilizam para dar na concorrência organizacional ou mesmo para fins pessoais.
Falando destas práticas que não são reguladas e não existe um manual de boas práticas nas redes sociais, o uso indevido tem aumentado cada dia que passa, sem garantia da segurança da informação. Primamos em garantir aos usuários a utilização das redes sociais com limites não exagerados, o que não pode ser feito dentro da internet onde a liberdade de expressão é um direito adquirido. Devemos ter a garantia de segurança de informação, para evitarmos o uso indevido das redes sociais, a técnica de social engineers relata que os crimes ocorrem em redes sociais com fim de abusar da confiança da outra pessoa na manipulação de dados ou mandar algumas aplicações que a pessoa utiliza de forma inocente, afectando o sistema do computador com vírus malwares, esse tipo de crime normalmente são crimes discretos e silenciosos e que podem comprometer o alcance dos objectivos pessoais ou organizacionais.