Mundo

Nova fusão ataca gigante chinês

Vai nascer um novo gigante europeu da construção ferroviária: A francesa Alstom vai unir-se à filial deste sector da alemã Siemens, naquilo que foi anunciado como uma fusão entre iguais, que tem como objectivo contrariar a concorrência da chinesa CRRC.

Vai nascer um novo gigante europeu da construção ferroviária: A francesa Alstom vai unir-se à filial deste sector da alemã Siemens, naquilo que foi anunciado como uma fusão entre iguais, que tem como objectivo contrariar a concorrência da chinesa CRRC.
O ministro francês da economia, Bruno Le Maire, confirmou o negócio e anunciou que o Estado francês vai estar ausente do capital do novo grupo, apesar de deter um quinto do capital da Alstom, através de um empréstimo de acções do grupo Bouygues. O novo grupo vai ser o segundo maior, a nível mundial, na construção de comboios. O principal sindicato alemão deste sector aplaudiu o negócio. Já o francês mostrou-se mais reticente.
A Siemens deve ficar com cerca de 50 por cento das acções da Alstom, depois de um aumento de capital. A entidade criada pela fusão geraria receitas anuais combinadas de 16 mil milhões de dólares. O acordo criaria um baluarte contra a expansão da companhia ferroviária chinesa CRRC, que segundo os analistas é capaz de investir sete vezes mais que a Alstom em pesquisa e desenvolvimento. “Depois da criação da gigante ferroviária chinesa CRRC, em 2015, a Siemens vinha a falar de forma cada vez mais veemente sobre a necessidade de consolidação no mercado europeu de equipamento ferroviário”, disse James Stettler, do banco Barclays. As fontes envolvidas nas negociações destacaram que Paris trabalhou com o governo alemão para obter garantias de que algumas fábricas não sejam fechadas.