Mercados

Workshop reúne petrolíferas

A criação de modelos mais sustentáveis para estabilizar a produção petrolífera consta dos principais desafios da pesquisa e exploração de petróleo em águas profundas no país, afirmou esta semana, em Luanda, o director executivo da Associação de Geofísicos de Angola (ASGA), Alberto Jaime de Carvalho.

A criação de modelos mais sustentáveis para estabilizar a produção petrolífera consta dos principais desafios da pesquisa e exploração de petróleo em águas profundas no país, afirmou esta semana, em Luanda, o director executivo da Associação de Geofísicos de Angola (ASGA), Alberto Jaime de Carvalho.
Na abertura do 1º Workshop EAGE/ASGA sobre “os desafios da pesquisa de petróleo e soluções para a pesquisa em águas profundas”, apontou que outros desafios passam pela melhoria da imagem dos reservatórios e dos segmentos do pré-sal, devendo pensar-se em outras tecnologias que permitam criar uma imagem mais clara que reflicta a geologia real dos segmentos pré-salinos.
Sublinhou que apesar do declínio natural que o sector enfrenta se impõe a criação de outras formas mais eficientes, para aumentar a produção em outros campos.
“Existem algumas ideias que nos levam a reflectir seriamente no futuro, não só em termos de conceito de exploração, mas precisamos entender o que falhou em termos de exploração de pré-sal em Angola, não falhou na sua totalidade, porque tivemos
algum sucesso”, disse.