Mercados

Opep prevê procura mundial em alta até 2040

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu, recentemente, ligeiramente em alta a sua previsão para o aumento da procura de petróleo até 2040.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reviu, recentemente, ligeiramente em alta a sua previsão para o aumento da procura de petróleo até 2040.
No seu relatório anual World Oil Outlook para 2018, divulgado no último domingo, a Opep espera agora que a procura do ouro negro cresça 14,5 milhões de barris por dia para 111,7 milhões de barris por dia em 2040.
“Este número é ligeiramente maior do que o do ano passado, apesar do abrandamento do crescimento da procura em geral no período”, refere no relatório.
O petróleo deverá continuar a ser o principal combustível no mix de consumo de energia, suportado na procura dos sectores dos transportes e petroquímico.
“Combinados, o petróleo e o gás deverão representar mais de 50% do mix de energia global em 2040”, afirma.
Em termos de produção fora da OPEP, deverá aumentar significativamente, com a maioria do crescimento na próxima década a vir do petróleo de xisto dos Estados Unidos.
“A produção total de petróleo de xisto deverá aumentar para 16 milhões de barris por dia até ao final dos anos 20, representando quase 25% da produção não-Opep nessa altura.
A Opep estima que dada a previsão para a procura e produção, “há a necessidade evidente para investimentos em toda a indústria. Só o investimento no sector do petróleo deverá atingir os 11 biliões até 2040. A Opep alerta que “enquanto os investimentos recuperaram ligeiramente em 2017 comparando com os dois anos anteriores, e as expectativas são de maiores níveis em 2018, é vital que, enquanto indústria, asseguremos que há investimento atempado e adequado para que não haja cortes no fornecimento no futuro”, afirma.

Posição da Arabia Saudita
O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid Al-Falih, assegurou esta semana que um possível aumento da produção de petróleo ocorrerá no momento oportuno.
“Se o equilíbrio entre a oferta e a procura continuar satisfatório, vamos prosseguir com a monitorização e dar uma resposta adequada e no momento apropriado, dentro das necessidades”, disse, citado pela agência France-Press.
A posição de Al-Falih surge após o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter pedido à OPEP o aumento da produção de petróleo e a redução de preços.
“É essencial continuarmos a prever e antecipar as alterações ao equilíbrio entre a oferta e a procura”, concluiu.