Mercados

Nova siderurgia está em projecto

A instalação de uma indústria siderúrgica em Angola está já na forja, sobretudo com os actuais preços do minério de ferro nos mercados internacionais que vão permitir a concluisão das pesquisas e arranque das minas para a efectiva exploração.

A instalação de uma indústria siderúrgica em Angola está já na forja, sobretudo com os actuais preços do minério de ferro nos mercados internacionais que vão permitir a concluisão das pesquisas e arranque das minas para a efectiva exploração.

Com custos variáveis entre os 60 e 75 dólares por cada tonelada seca, segundo pesquisas, o minério do ferro pode, para as economias que o exploram, transformar-se sim numa das jóias dos mercados dos futuros, alternando com a procura dos outros minérios ferrosos e com os metais preciosos. Para o caso angolano, tais prerços mostram-se atractivos para a maximização da exploração de ferro e diverisificação das fontes de receitas externas às contas nacionais. Anteriormente, os preços do minério de fero já esteve cotado nos 140 dólares por tonelada, temndo caído até aos 50 o que originou muito desinvestimento nesta área.

Deixar dependência
De acordo com dados avançados à imprensa, à margem do encerramento do 1º Conselho Consultivo do Ministério dos Recursos Minearais e Petróleos (MIREMPET), a riqueza angolana é, neste momento, em mais de 90 por cento dependente da contribuição do petróleo. Todavia, este é um recurso natural cujo preço, nos mercados internacionais, mostra-se bastante vulnerável aos acontecimentos geopolíticas mundiais.
O ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, disse haver a necessidade de se inverter esse quadro e a saída prevista no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022 foi o de diversificar as fontes de extracção de riqueza com primazia para o gás, metais ferrosos, ouro, diamantes e rochas ornamentais para a construção civil.
Sobre a exploração de ouro, o governante disse que se está já numa fase adiantada com parceiros identificados, sendo que os estudos de viabilidades, em muitos dos casos, estão já concluídos e arrancam muito em breve.
Não menos importante é o reconhecimento do potencial que o país detém, mas que como se tem dito, o necessário passa por transformar o potencial em riqueza efectiva e com reflexo na vida das pessoas.