Mercados

Brent vendido a 58,72 dólares

O barril de petróleo brent, para entrega em Novembro, abriu na quarta-feira (27) em alta no International Exchange Futures (ICE) de Londres, posicionando-se nos 58,72 dólares, uma variação de 0,47 por cento em relação ao fecho de terça-feira em que as negociações estiveram nos 57,92 dólares.

O barril de petróleo brent, para entrega em Novembro, abriu na quarta-feira (27) em alta no International Exchange Futures (ICE) de Londres, posicionando-se nos 58,72 dólares, uma variação de 0,47 por cento em relação ao fecho de terça-feira em que as negociações estiveram nos 57,92 dólares.
Os dados referentes a produção e venda das ramas angolanas, por exemplo, no mês de Julho, dão conta que foram vendidos ao preco médio de 45 dólares um total de 50,3 milhões de barris. O bloco 17 com mais de 17,3 milhões de barris (recipiente de 126 litros) foi quem mais exportou, tendo vendido ao preço médio de 45,67 dólares.
Ao todo, no mês de Julho, a arrecadação petrolífera angolana foi de de
116,8 mil milhões de kwanzas.
No mês de Junho, foram vendidos 48,4 milhões de barris ao preço médio de 44,5 dólares, tendo a arrecadação se posicionado nos 124,1
mil milhões de kwanzas.

Decisão Opep
A Opep debate em Novembro o prolongamento da redução de produção, que estimulou os preços, e a possibilidade de impor quotas de produção
a todos os membros do cartel.
De acordo com publicações internacionais, o mercado petrolífero começou a reequilibrar-se na sequência do acordo entre os países da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e não Opep sobre a redução da produção, defendeu o ministro, Suhail al-Mazrouei, à imprensa.
Os principais produtores de petróleo membros ou não membros da Opep chegaram a um acordo em finais de 2016 para reduzir a produção em cerca de 1,8 milhões de barris por dia durante seis meses. Entretanto, o acordo foi prolongado por nove meses adicionais.
O acordo provocou a subida do preço, que está actualmente em cerca de 55 dólares por barril, depois de uma diminuição dos “stocks”, adiantou.
Segundo Mazrouei, o Estado dos Emirados Árabes Unidos, quarto maior produtor da Opep com cerca de 2,7 milhões de barris por dia, “reduziu em 10 por cento a produção nos dois últimos meses” e está pronto para fazer mais para estimular o mercado.
O mercado petrolífero está a “reequilibrar-se” com a diminuição dos ‘stocks’ e do número de plataformas, sublinhou o ministro, que antecipa
“um relançamento do mercado”.
Os preços do petróleo afundaram-se a partir de meados de 2014 devido a um excesso
de oferta e a uma procura fraca.