Lazer

Puro: orgulho e tradição de Cuba

A lenda do tabaco está marcada pelo desvelo, a paixão e o prazer. Velha como a noite dos tempos, se entrelaça com a vida e com a morte, o mistério e a riqueza, desde as suas origens.

A lenda do tabaco está marcada pelo desvelo, a paixão e o prazer. Velha como a noite dos tempos, se entrelaça com a vida e com a morte, o mistério e a riqueza, desde as suas origens.
Era totalmente desconhecido na Europa medieval, enquanto na América já era hábito entre os nativos.
Mais tarde quando do descobrimento de Cuba por Cristóvão Colombo, em 1492, as duas culturas se encontraram e deste então o tabaco
espalhou-se por todo o mundo.
No dia 28 de Outubro de 1492, quando o almirante Cristóvão Colombo entrou na baía de Bariay (ao norte da actual província cubana de Holguín) e desembarcou em Playa Blanca a história do tabaco começou a mudar.
Hoje em dia produzem-se em Cuba quase 300 milhões de charutos torcidos manualmente, dos quais perto de 100 milhões são destinados à exportação e o resto para o consumo nacional.
A venda de tabaco cubano nos mercados internacionais aumentou notavelmente em 2015.
A indústria cubana do tabaco tem uma longa tradição e alta qualidade reconhecida em nível mundial que não só se manifesta nas vendas do produto, mas também na aceitação que tem em nível mundial o festival do charuto, que numa das suas edições chegou a contar com a presença de 2.000 delegados de 60 nações.