Lazer

Angola e Brasil mais unidos

A formação de quadros nas áreas de museologia, arquivos, cinemateca, bibliotecas, preservação e restauro do património cultural mereceu especial atenção no encontro que juntou a ministra Carolina Cerqueira e o embaixador brasileiro em Angola, Paulino Neto

A formação de quadros nas áreas de museologia, arquivos, cinemateca, bibliotecas, preservação e restauro do património cultural mereceu esta semana, em Luanda, a atenção da ministra da Cultura, Carolina Cerqueira e do embaixador do Brasil, Paulino
Franco de Carvalho Neto.
Angola, na voz da ministra Carolina Cerqueira, que recebeu o embaixador brasileiro, Paulino Neto, em audiência, quer aproveitar a experiência brasileira nos vários domínios culturais para dotar os quadros angolanos de conhecimentos essenciais para a execução de acções de promoção, preservação e valorização da cultura
angolana nos vários domínios.
O Ministério da Cultura aposta na formação de quadros nas áreas de museologia, música (particularmente na vertente tradicional), arquivos, cinemateca, bibliotecários, entre outras, referiu a titular da pasta que solicitou na ocasião uma articulação permanente, incluindo a divulgação e intercâmbio de obras literárias, com vista à divulgação permanente da língua portuguesa e de outras línguas nacionais apreciadas e estudadas em círculos
intelectuais brasileiros.
Por seu turno, o diplomata brasileiro reafirmou os compromissos existentes entre os dois Estados na vertente cultural e destacou total disponibilidade para ajudar Angola a alcançar os objectivos preconizados
no domínio cultural.
Na ocasião aproveitou ainda para apresentar à ministra o cronograma da agenda cultural da Casa da Cultura
Brasil/Angola para o ano 2018.
Entre os programas consta um festival de cinema dedicado à mulher, o circuito internacional de teatro e uma exposição itinerante do
Museu da Língua Portuguesa.
Recordamos que as repúblicas de Angola e Federativa do Brasil assinaram em Maio de 2017, em Salvador (Brasil), um programa executivo conjunto entre os dois ministérios da Cultura tendente a formalizar linhas de trabalho no âmbito do Acordo Geral de Cooperação Científica, Técnica e Cultural existente desde 1980 entre os dois países.
O programa conjunto de trabalho visa promover a cooperação cultural nas áreas do livro, leitura, literatura, bibliotecas, artes, música, audiovisual, património, museus e direitos de autor.As partes facilitarão, por meio de consultas mútuas, o intercâmbio de especialistas com vista a cooperação e assistência técnica, intercâmbio e investigação cultural, língua portuguesa, diversidade linguística e concertação nas organizações multilaterais.