Lado-A-Lado

Recrutamento de Pessoal

Os bancos estão cada vez mais exigentes e procuram preencher 0s seus postos de trabalho com pessoal jovem

É indiscutível que a gestão do conhecimento é hoje um desafio que se impõe às empresas. Ter pessoas realizadoras e preparadas para uma acção diária que agregue valor ao negócio é fulcral, segundo defende Fátima Monteiro, directora dos recursos humanos do banco BIC.

Como tem sido o processo de selecção de candidatos da sua empresa?
Nos oito anos de actividade do banco, o processo de recrutamento e selecção tem sido entendido como uma poderosa ferramenta na construção e consolidação da nossa imagem e através do qual procuramos garantir que temos pessoas certas no lugar certo. Atrair, manter e desenvolver o talento humano é o nosso objectivo.

Fruto do crescimento do banco, as nossas necessidades de recrutamento e selecção são constantes. Por ano, temos seleccionado, em média, 200 novos colaboradores, sobretudo jovens em início de carreira, o que nos obriga a ter a percepção correcta do perfil comportamental esperado/desejado dos candidatos. Hoje, temos 1.827 trabalhadores. Ainda, e pela importância estratégica deste processo para o banco, o próprio presidente do conselho de administração, Dr. Fernando Teles, que também detém o pelouro dos recursos humanos, faz questão de conhecer todos os colaboradores participando de forma activa no momento e na decisão de seleccionar.

Quais as qualificações que a empresa exige aos candidatos?

Além do necessário enquadramento no perfil de entrada que temos definido em termos de idade e habilitações escolares, estão também perfeitamente definidas as necessárias qualificações/competências comportamentais que um candidato deve ter para integrar a equipa BIC.

O que levou as empresas, principalmente, as grandes corporações a estarem mais exigentes na hora de contratar os candidatos?

É um facto que, nos últimos anos, os processos de recrutamento e selecção sofreram uma mudança de paradigma. Sendo o processo de recrutamento e selecção como estratégico e vital para as organizações, quem tem a responsabilidade de seleccionar candidatos quer ter a certeza de que faz as melhores escolhas, o que implica processos mais exigentes e mais robustos. Não é por acaso que as próprias universidades já sentem a preocupação de incluir nos conteúdos dos seus currículos, o desenvolvimento de habilidades pessoais aplicadas ao mercado de trabalho.

Por que razão o processo selectivo ficou mais longo e rigoroso?
É de comum acordo que o crescimento da competitividade implica um maior rigor e maior exigência no momento de recrutar e seleccionar novos colaboradores, o que, naturalmente, implica processos de selecção mais cuidados e por isso mais morosos.

Como as instituições podem contribuir para que os seus funcionários sejam dotados de técnicas para melhor servir?
É indiscutível que a gestão do conhecimento é hoje um desafio que se impõe às empresas. Ter pessoas realizadoras e preparadas para uma acção diária que agregue valor ao negócio é fulcral. Os clientes são cada vez mais informados e mais exigentes e por isso também exigem mais dos serviços prestados. Quando investimos na formação dos nossos colaboradores, estamos a investir no nosso sucesso.