Mundo

OIT promove empregos em África

Com 28,8 por cento dos jovens desempregados (o dobro da média mundial) os países no norte da África – Marrocos, Tunísia, Argélia, Líbia e Egipto – precisam adoptar uma resposta mais ampla e mais concertada para enfrentar a crise, alertou recentemente a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Com 28,8 por cento dos jovens desempregados (o dobro da média mundial) os países no norte da África – Marrocos, Tunísia, Argélia, Líbia e Egipto – precisam adoptar uma resposta mais ampla e mais concertada para enfrentar a crise, alertou recentemente a Organização Internacional do Trabalho (OIT).
“Provavelmente, o maior desafio para o desenvolvimento global nas próximas décadas será a necessidade de integrar centenas de milhões de jovens no mercado de trabalho”, disse o director-geral da OIT, Guy Ryder, numa conferência internacional em Genebra.
No encontro, foi adoptado um novo plano de acção para os próximos cinco anos, a fim de melhorar a empregabilidade
dos jovens na região.
Segundo a OIT, estima-se que no norte da África apenas 16,6 por cento de jovens do sexo feminino e 46,8 por cento do sexo masculino são economicamente activos – isto é, empregados ou que procuram trabalho.
Entre eles, cerca de 24,1 por cento dos homens e 44,4 por cento das mulheres estão desempregados. Os dados apontam ainda que cerca de 25 por cento dos jovens que trabalham vivem na pobreza.
“A fim de preencher as lacunas na região norte da África, pedimos aos parceiros sociais, governos, organizações trabalhistas e de empregadores, juntamente com os parceiros de desenvolvimento, para renovar o seu empenho no trabalho para a juventude”, disse a directora-geral adjunta para políticas da OIT, Deborah Greenfield, disse no evento, pedindo uma forte resposta política
para reverter essas tendências.
Na conferência, representantes da Argélia, Egito, Líbia, Mauritânia, Marrocos, Sudão e Tunísia, bem como os parceiros de desenvolvimento e as principais partes interessadas, adoptaram o “Roteiro para o emprego dos jovens no norte da África”.