Mundo

Economia digital terá um imposto na União Europeia

A União Europeia criará um novo imposto para a chamada “economia digital” em 2018, informou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, após uma reunião com os chefes de Governo e Estado do bloco em Tálin, na Estônia.

A União Europeia criará um novo imposto para a chamada “economia digital” em 2018, informou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, após uma reunião com os chefes de Governo e Estado do bloco em Tálin, na Estônia.
De acordo com Juncker, a Comissão apresentará no ano que vem “as novas regras para uma taxação igualitária e equilibrada para todos” e, “acredito que teremos um acordo” sobre o assunto.
Já o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, afirmou que também acredita que é uma das missões do bloco “andar adiante na busca por normas comuns”, mas que não sabe quando a regra será implantada definitivamente por todos.
Um dos países que apresentou a proposta de criar uma nova taxação, e também de revisar as regras do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), foi a Itália. O premier Paolo Gentiloni defendeu durante a reunião que, se alguns países-membros da UE não quiserem aprovar essa taxa, poderia ser sugerida uma “cooperação reforçada” entre
todas as nações da entidade.
Gentiloni discursou para os demais membros do bloco e pediu que fossem abordadas as questões de regulamentação da economia digital para evitar que o bloco “tenha um futuro dividido entre robôs e nômades digitais de um lado e os homens
esquecidos do outro”.
Sobre a questão de cobrar impostos também pela questão do território, Gentiloni afirmou que “não existe uma cidadania digital e global privada de raízes”.
“O horizonte para todos deve ser aquele da competitividade que a Europa tem a possibilidade de colocar em campo sobre esse tema, que é cada vez mais estratégico também para a Itália, como demonstram os compromissos assumidos e as perspectivas abertas
da Indústria 4.0”, acrescentou.
O presidente francês, Emmanuel Macron, foi mais directo e informou que 19 dos 28 países-membros “apoiam o projecto”, num caso “semelhante àquele sobre a transparência bancária”.
Apresentado por Itália, Espanha, Alemanha e França, o projecto pede para criar uma taxa europeia para as empresas que compõem a economia digital - desde servidores locais até às gigantes que actuam no continente, como Google, Amazon, Facebook, entre outras. Sobre o IVA, eles pedem uma revisão para ampliar a cobrança.