Finanças

BNI está autorizado a alienar 90% do capital da Aliança Seguros

A permissão do Ministério das Finanças sobre a aludida operação vem expressa em Diário da República

O Ministério das Finanças de Angola autorizou, recentemente, a alienação de 90 por cento da participação que o Banco de Negócios Internacional (BNI) detém na seguradora angolana Aliança Seguros, para cumprimento de “medidas regulatórias” sobre “boas práticas de governação corporativa”.
A informação consta de um despacho datado de 26 de Janeiro do Diário da República, assinado pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira, a que tivemos acesso. O documento adianta que aquela seguradora está em processo de alteração da sua estrutura accionista”, com a alienação de parte das suas acções a uma entidade gestora de participações sociais.
A operar na área dos seguros de trabalho, vida e automóvel, a Aliança Seguros é uma das várias seguradoras a operar em Angola, e resultou de uma parceria que envolveu a comparticipação do BNI, banco angolano que detém uma sucursal em Lisboa, denominada BNI Europa.
A alienação agora ratificada pelo Ministério das Finanças, já aprovada pela Agência Angolana de Regulação e Supervisão de Seguros, implica a venda de 90 por cento da participação do BNI, correspondente a 1.800.000 acções detidas por aquele banco sociedade Aliança Seguros.
O BNI passa a deter, com as referidas transmissões, 9,985 por cento do capital social, mantendo-se inalteráveis as participações sociais dos demais accionistas”, lê-se no mesmo despacho, que não adianta valores envolvidos no negócio.

Reembolso de Obrigações
Num outro despacho, o Ministério determina que a emissão, colocação e reembolso das Obrigações de Tesouro em moeda nacional, com actualização do seu valor nominal em conformidade com a variação da taxa de câmbio de referência divulgada pelo Banco Nacional de Angola para compra de dólares dos Estados Unidos da América, com taxas de juro de cupão predefinidas por maturidade e colocada através de leilão de quantidades, deve obedecer, em linhas gerais, condições específicas estabelecidas na Obrigação Geral.

Banco Mundial financia combate à pobreza com USD 70 milhões

O Banco Mundial(BM) vai disponibilizar 70 milhões de dólares (145,6 mil milhões de kwanzas) para dinamizar o combate à pobreza e o reforço das capacidades dos quadros da administração pública do Estado, segundo o coordenador do Banco Mundial para o mercado angolano, Camarões, Guiné-Gabão e São Tomé e Príncipe.
Em declarações à imprensa, depois da assinatura do acordo de financiamento com o ministro das Finanças, Archer Mangueira, Olivier Godron afirmou  que o objectivo é ajudar o Governo angolano a dinamizar a actividade do Fundo de Apoio Social (FAS) e o reforço das competências dos quadros da administração pública do Estado.
O montante solicitado pelo Governo angolano vai contribuir igualmente no reforço dos cuidados de saúde, desenvolvimento humano e apoio à nova liderança do país. Através desta iniciativa, o Banco Mundial pretende ajudar Angola a materializar os projectos de desenvolvimento nos diferentes sector da vida económica.
Por sua vez, o ministro das Finanças, Archer Mangueira, considerou assinatura do acordo oportuno, pois vai ajudar o Governo a concretizar as acções preconizadas, tendo garantido que será feita uma gestão criteriosa do valor disponibilizado de modo a não defraudar as expectativas dos angolanos e do parceiro que
disponibilizou o montante.
Já o director geral do Fundo de Apoio Social (Fas), Santinho Figueira, o montante vai, além de dinamizar, contribuir para que agremiação que dirige possa estender as suas acções nos 165 municípios
do país contra os actuais 117.
As verbas também se destinam às pequenas iniciativas de empreendorismo de combate à fome e à pobreza no país. André Sbi