Especial

CNE confirma vitória do MPLA e de João Lourenço a novo Presidente da República eleito

O candidato do MPLA nas eleições gerais de 23 de Agosto, João Lourenço, é o novo Presidente da República de Angola, fruto da vitória do seu partido no sufrágio, confirmada esta quarta-feira, pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE ).

O candidato do MPLA nas eleições gerais de 23 de Agosto, João Lourenço, é o novo Presidente da República de Angola, fruto da vitória do seu partido no sufrágio, confirmada esta quarta-feira, pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE ).
No seu primeiro pronunciamento após a confirmação da vitória, pela CNE, com 61,08 por cento dos votos, convidou os concorrentes do sufrágio de 23 de Agosto para estarem presentes na cerimónia da sua investidura, tendo em vista o engrandecimento do país e a busca de um ambiente de concórdia entre todos os angolanos.
O Presidente da República eleito convidou os angolanos a comemorarem unidos, alegres e sem excessos a vitória eleitoral do MPLA, e mostrou-se disponível para o diálogo permanente com os líderes políticos da oposição.
João Lourenço considerou que a vitória do MPLA e do seu candidato a Presidente da República representa “o voto de confiança do povo”, e disse acreditar que, juntos, podem construir um futuro melhor para Angola e para os angolanos.
O Presidente da República eleito disse ter sido feita uma boa leitura dos níveis de abstenção no presente sufrágio e afirmou que o Executivo a constituir nos próximos dias vai trabalhar para corrigir e prevenir que situações do género se repitam em 2022.
Para reduzir os níveis de abstenção, sustentou, é necessário “trabalhar para afastar as práticas e comportamentos reprováveis”.
João Lourenço agradeceu ao povo angolano pelo patriotismo e civismo demonstrados nas urnas e considerou que as eleições decorreram dentro dos padrões internacionais, num clima de paz e harmonia.
Todavia, lamentou a postura de algumas forças políticas que pretenderam manchar o processo e descredibilizar as instituições envolvidas na sua preparação e realização, apesar do reconhecimento de lisura do processo feito pelos observadores internacionais.
Os resultados definitivos divulgados esta quarta-feira pela CNE colocam o MPLA em primeiro lugar, com quatro milhões 164 mil 157 votos (61,08 por cento).
Com maioria qualificada, o partido no poder em Angola elegeu os seus candidatos a Presidente e Vice-Presidente da República, João Lourenço e Bornito de Sousa, respectivamente, bem como 150, dos 220
deputados à Assembleia Nacional.
Na segunda posição surge o partido liderado por Isaías Samakuva, a UNITA, com um milhão 818 mil 903 votos (26,68 por cento), o que lhe
confere 51 deputados eleitos.
A Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE) aparece em terceiro lugar, com 643 mil 961 votos, ou seja 9,44 da preferência dos eleitores, o que representa 16 deputados.
No quarto lugar está o PRS, com 92 mil 222 votos (1,35), o que representa dois deputados, enquanto a FNLA vem na quinta posição, com 63 mil 658 eleitores (0,93 por cento) e um parlamentar. A APN ocupa a última posição, com 34 mil 976 votos (0,51), votação suficiente para evitar a extinção, mas insuficiente para conquistar um deputado.

Perfil do Presidente eleito
João Manuel Gonçalves Lourenço, general na reserva, casado com a economista Ana Dias Lourenço e pai de seis filhos, nasceu no município do Lobito, província de Benguela, em 5 de Março de 1954.
João Lourenço é filho de Sequeira João Lourenço, enfermeiro, nacionalista da clandestinidade e prisioneiro político, natural de Malanje, e de Josefa Gonçalves Cipriano Lourenço, costureira, natural do Namibe, ambos já falecidos.
Mestre em Ciências Históricas e general de três estrelas na reserva, João Lourenço participou na primeira e segunda Guerra de Libertação Nacional, na Segunda Região Político Militar.
Desempenhou o cargo de chefe da Direcção Política Nacional das ex-FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola).
Exerceu depois as funções de 1º secretário provincial do MPLA e de comissário (governador) das províncias do Moxico e de Benguela, respectivamente, de secretário para a Informação e Propaganda do MPLA, e posteriormente de secretário-geral do partido.
Foi presidente da Comissão Constitucional da Assembleia Nacional, presidente da Comissão Constitucional, membro da Comissão Permanente, presidente do grupo parlamentar do MPLA e 1º vice-presidente
da Assembleia Nacional.
Membro do Bureau Político do MPLA, João Lourenço foi nomeado ministro da Defesa Nacional em 2015, e eleito para o cargo de vice-presidente do partido na sequência do seu VII Congresso Ordinário, realizado em Luanda, de 17 a 20 de Agosto de 2016.
Na terceira reunião ordinária do Comité Central do MPLA, realizada a 03 de Fevereiro de 2017, em Luanda, João Manuel Gonçalves Lourenço foi indicado candidato do partido
a Presidente da República.

Felicitações
O Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, felicitou, em nome do Governo e povo chinês e do seu próprio, os sinceros parabéns e votos de felicitações ao Presidente eleito. Numa mensagem, datada de 7 de Setembro de 2017, Xi Jinping avaliou que Angola é um parceiro estratégico importante da China na África e os dois países mantêm alta confiança política mútua e uma cooperação que lidera nas relações sino-africanas em vários domínios.
Xi Jinping salientou ainda que tem atribuído alta importância ao desenvolvimento das relações sino-angolanas e que está disposto a envidar esforços junto com o novo Presidente angolano para conquistar mais frutos da parceria estratégica China-Angola, beneficiando ainda melhor os dois países como os dois povos.
Já o chefe de Estado de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, felicitou João Lourenço, pela sua eleição como Presidente da República de Angola, manifestando o desejo de trabalho conjunto entre dois países “amantes da liberdade e da paz”. “No momento em que acaba de ser eleito Presidente da República de Angola, país com o qual Cabo Verde mantém fortes laços históricos, de amizade e de cooperação, gostaria de, em primeiro lugar, felicitar Vossa Excelência pela sua vitória”, escreveu Jorge Carlos Fonseca, em carta enviada ao homólogo
e divulgada pela Presidência.
“Aproveito esta ocasião para reiterar o meu firme propósito e desejo de poder trabalhar com Vossa Excelência, para o fortalecimento das nossas relações no plano bilateral, da CPLP e no quadro multilateral, como países e povos amantes da liberdade e da paz”, acrescentou Jorge Carlos Fonseca.