Empresas

Catoca quer aumentar contribuição no Orçamento Geral do Estado (OGE)

A Sociedade Mineira de Catoca vai priorizar, durante os próximos cinco anos, a melhoria da eficiência operacional para aumentar a produtividade e a sua contribuição no Orçamento geral do Estado, disse o novo director-geral da Sociedade Mineira da Catoca (SMC).

A Sociedade Mineira de Catoca vai priorizar, durante os próximos cinco anos, a melhoria da eficiência operacional para aumentar a produtividade e a sua contribuição no Orçamento geral do Estado, disse o novo director-geral da Sociedade Mineira da Catoca (SMC), Benedito Paulo
O gestor, que tornou público quarta-feira esse objectivo, no final da cerimónia da sua apresentação aos trabalhadores, afirmou que no seu mandato os desafios previstos são o arranque da mina do Luaxe, a 25 quilómetros de Catoca.
Os trabalhos de prospecção geológica e levantamento geofísico nessa mina tiveram início em 2008 e está a ser projectada até a profundidade de 400 metros. O empreendimento pode gerar resultados na ordem dos 350 milhões de quilates.
Garantir a empregabilidade, melhorar as condições sociais dos trabalhadores e permitir que os seus salários sejam capazes de dar resposta às suas necessidades e contribuir para a riqueza do país são outras prioridades na agenda do novo director-geral da maior empresa diamantífera do país.
“As empresas têm que ter sempre no centro da sua atenção a pessoa humana, por serem os principais activos e promotores do crescimento económico. Daí a nossa especial atenção na melhoria das condições sociais dos nossos colaboradores”, enfatizou.
As comunidades circunvizinhas de Catoca terão também uma atenção especial. A empresa já tem um diagnóstico dos problemas sociais que as mesmas enfrentam, desde a falta de energia eléctrica, escolas e unidades sanitárias.
Nos próximos dias, a direcção da empresa e o governo da província vão reunir para redefinirem as estratégias no âmbito das responsabilidades sociais de Catoca.
A SMC é uma empresa angolana de prospecção, exploração, recuperação e comercialização de diamantes. São accionistas a Endiama (Angola), Alrosa (Rússia) LLV (China)e a Odebrecht (Brasil).
Catoca é a maior empresa no subsector diamantífero em Angola, sendo responsável pela extracção de mais de 75 por cento de 9.8 milhões
de quilates de diamantes.