Capa

Inclusão é a meta da CPLP

Os sistemas de pagamentos devem oferecer uma plataforma que permita a inclusão financeira, dado o nível de desenvolvimento económico e social dos membros.

O vice-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Rui Miguês de Oliveira, afirmou na última quarta-feira, em Luanda, que os sistemas de pagamentos, no âmbito das suas funções, devem oferecer uma plataforma que permita a inclusão financeira, dado o nível de desenvolvimento económico e social dos países da CPLP.
O Banco Nacional de Angola (BNA) acolheu durante os dias 28 e 29 desta semana, o oitavo Encontro dos Sistemas de Pagamentos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa(BCPLP).
O encontro visou fazer analise e tratamento de assuntos relacionados com o sistema de pagamentos. Com esta na perspectiva de desenvolvimento bem como na avaliação das tendências da industria financeira internacional com impacto no sistema de pagamentos.
“O aumento das transacções nos mercados financeiros nacionais e internacionais, a sofisticação dos produtos financeiros, a globalização dos mercados e a desintermediação exigem um sistema de pagamento eficaz, seguro e eficiente, de forma a preservar o funcionamento estável”, disse.
Desta forma, o sistema financeiro dá suporte mais adequados às actividades produtivas, comerciais e financeiras. Para ele, os bancos devem ter uma plataforma que permita a inclusão financeira que são críticas nos nossos países dado o nosso nível de desenvolvimento económico e social. Assim, para que se cumpram com os objectivos de interesse público dos sistemas de pagamentos, fundamentalmente, a segurança, fiabilidade operacional, eficiência e a inclusão é importante que a sua gestão seja unida às boas práticas internacionais.
Afirmou que o oitavo encontro realiza-se numa altura em que a convergência entre a tecnologia e os serviços financeiros é cada vez maior. O surgimento das tecnologias financeiras “fintech” e a crescente tendência de eliminação dos intermediários financeiros leva a ponderar sobre o modelo de negócio bancário num futuro não muito distante.