Infraestrutura

Carpintarias geram renda

O ofício de carpintaria constitui fonte de renda para muitas famílias luandenses. A informação foi confirmada por Zacarias da Silva, carpinteiro
a há oito anos.

O ofício de carpintaria constitui fonte de renda para muitas famílias luandenses. A informação foi confirmada por Zacarias da Silva, carpinteiro a há oito anos.

Durante a ronda realizada pelo JE, Zacarias da Silva, confirmou, que hoje sustenta a sua família com dinheiro.Segundo contou, a facturação mensal varia de acordo os indicadores do mercado. “Oscila entre 100 e 500 mil kwanzas por mês”, disse.

Estes ganhos são distribuídos de várias formas. Desde o pagamento dos salários para os funcionários, aquisição de matéria-prima, renovação de ferramentas e manutenção das instalações.

Nesta oficina, trabalham sete mestres, entre angolanos e guineenses. “O responsável da oficina é guineense”, indica o mestre Zacarias com um sorriso nos lábios.

Produção
Diariamente a oficina produz, diferentes tipos de mobília, desde camas, mesas, cadeiras, armários de sala e cozinha. Os preços variam de acordo com o produto e serviço solicitado pelo cliente entre 30 a 120 mil kwanzas cada. Ao passo que as portas lisas e janelas rondam os 15 mil cada. Já as portas almofadadas custam até 50 mil kwanzas.

De acordo com o mestre Zacarias da Silva, as janelas, portas e camas estão entre os produtos mais solicitados. Depois de várias decepções nas camas importadas, Cesário Paulo, procurou pelos serviços de Zacarias da Silva, comprou uma cama onde repousa há mais de um ano sem qualquer dificuldade. “Estas camas são bonitas e resistentes”, confirmou o cliente.

Já o mestre Amoroso Alex revelou ao JE, que a sua oficina existe há sete anos. Além de fabricar janelas, portas e camas, presta serviços ao domicílio. Com o dinheiro que ganha, sustenta a sua família constituída por sete membros.

Segundo contou, a última cama que sua oficina vendeu rendeu pouco mais de 120 mil kwanzas. “Muitos clientes foram unânimes em afirmar que a cama era importada”, disse.

Confirmou, que sua pequena oficina constitui a sua principal fonte de renda. Ali, os salários dos funcionários, oscilam entre os 30 e 40 mil kwanzas. Além do salário mensal, cada funcionário, aufere subsídio para alimentação que ronda os mil kwanzas dia. Este valor é entregue aos trabalhadores, de segunda à sexta-feira.

Já o mestre Franque Manuel sublinhou, que o país não tem tanta necessidade de importar alguns produtos, pois os carpinteiros nacionais tudo estão a fazer para garantir a qualidade.

Matéria-prima
Zacarias Mateus disse, que a sua oficina conta com apoio de uma equipa de fornecedores de madeira da província do Uíge. “Mensalmente deixam até 50 metros cúbicos de madeira para se pagar até o final do mês seguinte”.

Para garantir a qualidade do produto, a oficina procura comprar, madeira com cinco centímetros de espessura e quarenta centímetros de largura e quatro metros de comprimento, respectivamente. Segundo contou, com estas características a madeira pode ser usada para fazer qualquer tipo de produto madeireiro.