Gestão

Fusões e aquisições

As novas empresas criadas assumem a responsabilidade total e ajudam a conectar os investidores e accionistas no processo

O termo fusões e aquisições derivou do em inglês (Mergers and acquisitions), que na prática são processos de negociação entre organizações ou pessoas físicas, que visam transferir as cotas sociais de uma empresa para outra ou para outra pessoa física. E nelas vamos encontrar:
1. Investidor estratégico - aquele comprador que opera no mesmo segmento e tem interesse operacional na empresa com o intuito de manter
o investimento a longo prazo;
2. Investidor financeiro - quando o comprador tem interesse focado em maximizar o retorno por meio da retirada de dividendos e ganho de capital na venda do activo em curto e médio prazos.Vale ressaltar que existem diversas fontes de capital disponíveis no
mercado para fusões e aquisições.

Tipos de operações
Primeiro encontramos a fusão de empresas, que vai ser a operação em que se unem duas ou mais sociedades para formar sociedade nova, sucede direitos e obrigações, normalmente por meio de permuta de acções;
Segundo a aquisição de empresas – operação em que o comprador adquire a totalidade ou quase totalidade. Normalmente a integração é complexa, como aconteceu com a Microsoft e Linkedin;
Terceiro a Incorporação de empresas – operação em que uma ou mais empresas são absorvidas por outras, neste caso ocorre o desaparecimento da empresa incorporada;
Quarto a cisão de empresas – quando uma empresa se divide, criando uma ou mais. Destina parte dos seus activos para a formação da nova empresa. A empresa principal pode continuar ou deixar de existir. As novas empresas assumem todas as responsabilidades da empresa principal, por exemplos, quando Philips fez cisão criando a Philips Healthcare e a Sonyericson uniu-se com a Sony Mobile;
Em quinto aparece a Joint Venture – uma operação em que se cria uma nova empresa para um fim específico, porém mantêm-se as operações dos sócios individualmente. Um contrato irá definir os principais direitos e deveres da Joint Venture.

Principais aplicações
As fusões e aquisições têm como objectivos primeiro: acelerar o crescimento – muitas empresas têm o potencial para crescer mais rápido do que crescem hoje, por falta de capital para financiar uma maior fabricação, campanhas de marketing, stocks, equipas comerciais e outros. As ferramentas de fusão e aquisição conecta investidores que querem investir o seu dinheiro em negócios rentáveis e com potencial de crescimento com as empresas que proporcionam esse cenário.

Momento de crise
Existem duas nuances para os momentos de crise - primeira como ameaça: inúmeras empresas sucumbem por momentos de instabilidade económica, política ou de mercado. É muito difícil se preparar para as crises, pois existe a necessidade de uma boa gestão de recursos e esforços quando vier a queda temporária nas vendas, as inadimplências ou mesmo mudanças inesperadas. As ferramentas de F&A são aplicadas para apoiar as empresas a passar por esses momentos difíceis. É consenso que essa solução não é a ideal para o momento, pois pode gerar um deságio na negociação, porém a empresa
pode não ter muitas escolhas.
Segunda nuance pelo aspecto da oportunidade: as empresas que melhor se preparam ou que os seus segmentos de actuação contribuem, têm nas ferramentas de F&A a oportunidade para se fortalecer ainda mais, adquirindo outras empresas, fazendo fusões
ou diversificando o seu risco.