Gestão

Estudo de viabilidade de projectos requer análise crítica sobre o mercado

Um estudo de viabilidade económica e financeira é fundamental, quer para projectos relativos à criação de uma nova empresa, quer para projectos na perspetiva de uma empresa já em actividade e que necessite de avaliar um eventual projecto de investimento a realizar e qual o seu impacto na empresa. A implementação de um projecto de investimento, implica uma profunda análise de mercado, da empresa, do produto ou serviço e de um rigoroso plano de negócios, que suporte a viabilidade do investimento.

Provavelmente, a muitos já surgiram várias vezes ideias inovadoras de negócios, das mais diversas sobre um investimento já existente que podemos melhorar, ou uma nova ideia que começa do zero. Para o primeiro caso, se temos que conhecer a situação actual da empresa podemos realizar estudos como a análise SWOT. De qualquer forma, temos que saber as possibilidades que uma ideia tem de triunfar, e para isso podemos fazer um estudo de viabilidade. Eis os pontos chave:
1. Podemos definir um estudo de viabilidade como aquela análise e avaliação de informação procedente de vários âmbitos, que nos permitirão conhecer se uma nova empresa ou ideia de um negócio que poderá ser econômica e comercialmente rentável. Em função do conceito sobre o qual se realize o estudo, o conteúdo varia substancialmente, mas sempre existem pilares essenciais sobre os quais teremos que basear a busca e análise de informação no estudo;
2. O primeiro pilar é a viabilidade económica-financeira do projecto. Isto é, se a ideia pode reportar benefícios reais, que possam compensar os custos não só operativos, mas também de colocar em funcionamento, já que se trata de uma grande infra-estrutura, mas se depois os benefícios são escassos, não valeria a pena. Alguns pontos para levar em consideração são: análise da procedência dos fundos para colocar em funcionamento o projecto; determinar onde serão investidos todos esses fundos de forma individual; a elaboração de uma prospecção de rendimentos e despesas da actividade nos anos futuros, no mínimo 3 ou 5 anos; estimar o rendimento de todo o capital investido, neste período e conhecer qual é o ponto morto ou mínimo de vendas que teríamos que ter para superar os custos e começar a ter lucro;
3. Com a análise da viabilidade operacional determine se o pessoal que possui ou terá, a empresa será capaz de assumir de forma adequada as suas obrigações. Aqui analisa-se: se a capacitação e formação dos empregados é suficiente às necessidades do projecto; a carga de trabalho dos empregados será suficiente para que possam realizar o seu trabalho sem problemas, podendo compartilhar vida trabalhista e familiar; se se dispõe de infra-estruturas adequada para realizar a actividade pretendidas e se se cumpre com os requisitos e trâmites legais impostos pelas entidades públicas;
4. Outro ponto importante é a viabilidade do mercado, uma área essencial na qual determina-se se realmente a ideia pode ser desenvolvida no mercado no qual pretende estar focado. Aqui é preciso ter em conta: se existe realmente uma quantidade potencial de clientes e demanda a qual pode cobrir os custos mínimos do projecto; que exista uma necessidade no mercado de conseguir aquilo que se pretende oferecer, satisfazendo assim a necessidade dos clientes; quanta quota de mercado é possível obter e qual seria, portanto, a quantidade potencial de vendas, dados que colaborariam com a análise económica e que determine em que área e sector do mercado está focada a sua actividade;
5. Analisar a viabilidade conceitual da ideia do negócio é importante. É preciso saber se o projecto vai mesmo funcionar. Para isso: é preciso usar a análise SWOT; determinar o tempo, a curto e longo prazo, no qual se realizam as operações e não se estender mais do que o necessário. Além disso, é preciso analisar o conjunto das três instruções anteriores e a ideia em concreto, para realizar uma análise crítica e chegar a uma conclusão a respeito.