Gestão

Conhecimento aprimora as decisões estratégicas

No início deste século a informação tornou-se um dos activos mais importantes de uma empresa, configurando-se como um importante elemento para o processo de tomada de decisão empresarial. Através da informação é possível conhecer melhor o cliente, entender as mudanças promovidas no cenário empresarial e compreender as novas demandas sob o comando da economia global.

No início deste século a informação tornou-se um dos activos mais importantes de uma empresa, configurando-se como um importante elemento para o processo de tomada de decisão empresarial. Através da informação é possível conhecer melhor o cliente, entender as mudanças promovidas no cenário empresarial e compreender as novas demandas sob o comando da economia global.
Entretanto, apenas obter informação não é o suficiente para a tomada de decisão estratégica, pois é necessário saber o que fazer com a informação e como aplicá-la no quotidiano empresarial.
É por isso que as empresas, desde as de pequeno porte até as grandes corporações, precisam estabelecer uma gestão do conhecimento com estratégias de inteligência de mercado e constante realização de pesquisas.
A gestão do conhecimento começa com a obtenção da informação, mas não termina aí, pois é necessário ter um capital intelectual com o conhecimento académico e científico que possibilite a compreensão das variáveis mercadológicas e a implantação de estratégias que atendam às necessidades da empresa e às novas exigências do mercado globalizado.
Isso significa que a empresa deve não apenas contratar profissionais graduados, mas também estimular a formação académica entre os seus próprios colaboradores, inclusive subsidiando os seus estudos, para constituir um activo intelectual e utilizar o conhecimento agregado por esse activo.
Além disso, a empresa precisa de sistemas de informação para armazenar, processar e transformar os dados em informações, apresentando-os sob a forma de relatórios, planilhas e gráficos que forneçam conhecimento e maior robustez para uma tomada de decisão de maior qualidade por parte dos gestores, por isso Peter Drucker já avaliava que “administrar é aplicar o conhecimento à acção”.
A implantação de novas estratégias depende de informações e de conhecimentos actualizados sobre o mercado, por isso também é necessário que a empresa realize constantes pesquisas de marketing para a avaliação da satisfação do público-alvo, aceitação dos produtos e serviços, sazonalidades nas vendas, opiniões sobre a marca e sobre a qualidade do atendimento, necessidade de selecção de novos meios de comunicação.
A partir disso, a empresa cria uma estratégia de gestão do conhecimento e inteligência de mercado, podendo conhecer melhor a si mesma, as suas forças e fraquezas, e as tendências de mercado, oportunidades e ameaças, através da Análise Swot:
Forças: qualidades da empresa como participação no mercado, posicionamento do produto, tecnologia de ponta, estratégias inovadoras e valor da marca;
Fraquezas: oportunidades de melhoria como tecnologia antiga, remuneração inadequada, atendimento ruim, vendedores inexperientes e falta de criatividade; Oportunidades: implantação de nova tecnologia, lançamento de novo produto, entrada em novos mercados, estratégias inovadoras de marketing e abertura de nova filial;
Ameaças: entrada de novo concorrente no mercado, lançamento de novo produto por um concorrente, um concorrente utilizando nova tecnologia ou
fazendo novas promoções;
Assim, tanto no ambiente interno quanto externo, a empresa passa a tomar conhecimento sobre as variáveis que afectam directamente a sua gestão de negócios, o que lhe permite uma tomada de decisão que minimize riscos e possibilite a maximização de resultados.