Finanças

Voz do cidadão

O jurista Vigílio Adriano Tyiova deixou o Parlamento há pouco mais de um mês e rumou para Ondjiva, a capital do Cunene. Sobre a mesa do Palácio há vários desafios, que aguardam a “mão milagrosa” do novo governador. A província em uníssono abriu as portas e o recebeu de mãos cheias.

O jurista Vigílio Adriano Tyiova deixou o Parlamento há pouco mais de um mês e rumou para Ondjiva, a capital do Cunene. Sobre a mesa do Palácio há vários desafios, que aguardam a “mão milagrosa” do novo governador. A província em uníssono abriu as portas e o recebeu de mãos cheias. Mereceu a confiança do Presidente da República ao confiá-lo o resgate das esperanças e a concretização dos sonhos dos filhos do Cunene, simbolizados por Mandume Ya Ndemufayo.
Moisés Filengemote, munícipe, disse que espera o melhoramento dos serviços de saúde, da energia eléctrica, da água, bem como o aumento do número de escolas de nível superior. Agora só existe uma e com apenas cinco especialidades.
Américo Sambambi, desportista, entende ser das maiores preocupações da juventude as ofertas académicas. “Não temos aqui cursos que dão oportunidade de inserção fácil ao mercado de trabalho, como direito, engenharias e educação”.
Já a funcionária pública Olívia Ndaliataelao diz-se feliz e que confia no governador. Ela espera mudanças por considerar que o Cunene está muito atrasad a e sonha ver uma província mais atraente, com espaços de lazer, jardins e que seja sobretudo mais visitada.
Já o padre Gaudêncio Felix Yakuleinge espera que o novo governador dê continuidade ao que de positivo foi já feito pelos seus antecessores. o prelado espera pela “tomada de uma postura que provoque equilíbrio, união e boa convivência entre os diferentes grupos étnicos”.
O secretário provincial do PRS, Miguel Ndapewovano, quer ver melhorado os serviços de saúde, da energia e água para as populações do meio urbano e da zona rural.
A estudante universitária Olgália Jacobina Ndelifeweka, estudante universitária, disse esperar do governador trazer soluções para os problemas mais candentes da juventude, criação de postos de trabalho, mais escolas do ensino superior e cursos, bem como centros de formação profissional.
Já Torga Pangeico, secretário provincial da UNITA, espera um governador despido das cores partidárias, um governador de todos, e que venha atender os verdadeiros problemas das populações, como a insuficiência de salas de aulas no ensino geral, a falta de medicamentos nos centros hospitalares, velar pela questão do sonho da casa própria para a juventude.
Ao que captou a reportagem do JE, há enorme vontade por parte das populações em participarem dos desafios postos à governação nessa nova era política.

Moisés Filegemote
munícipe
tenho o melhoramento dos serviços de saúde, da energia eléctrica, da água, bem como o aumento do número de escolas de nível superior, Agora só existe uma e com apenas cinco especialidades, dos maiores desafios locais.

Olívia Ndaliataelao
funcionária pública
confio no governador. Ela espera mudanças por considerar que o Cunene está muito atrasad a e sonha ver uma província mais atraente, com espaços de lazer, jardins e que seja sobretudo mais visitada.

Gaudêncio Felix
Yakuleinge padre
que o novo governador dê continuidade ao que de positivo foi já feito pelos seus antecessores. o prelado espera pela “tomada de uma postura que provoque equilíbrio, união e boa convivência entre os diferentes grupos étnicos”.

Américo Sambambi
desportista
entendo ser das maiores preocupações da juventude as ofertas académicas. “Não temos aqui cursos que dão oportunidade de inserção fácil ao mercado de trabalho, como direito, engenharias e educação”

Miguel Ndapewovano
secretário provincial do PRS
espero ver melhorado os serviços de saúde, da energia e água para as populações do meio urbano e da zona rural. o mesmo considera crucial a participação de todos os cidadãos na governação e conservação da coisa pública.

Torga Pangeico
secretário provincial da Unita
quero um governador despido das cores partidárias, que venha atender os verdadeiros problemas das populações, como a insuficiência de salas de aulas e velar pela questão do sonho da casa própria para a juventude.