Finanças

Receitas fiscais sobem 7,56%

As receitas fiscais, no quarto trimestre de 2017, totalizaram um montante superior a 919 mil milhões de kwanzas, um aumento de 7,56 e 82,46 por cento em termos trimestrais e homólogos, respectivamente. Este aumento deveu-se, inteiramente, ao aumento das receitas petrolíferas contrastando a evolução decrescente das receitas não petrolíferas.

As receitas fiscais, no quarto trimestre de 2017, totalizaram um montante superior a 919 mil milhões de kwanzas, um aumento de 7,56 e 82,46 por cento em termos trimestrais e homólogos, respectivamente. Este aumento deveu-se, inteiramente, ao aumento das receitas petrolíferas contrastando a evolução decrescente das receitas não petrolíferas.
Note-se que as receitas petrolíferas se situaram em kz 632.833,12 milhões, resultando num significativo aumento quer em termos trimestrais quer em termos homólogos de 2016 em torno de 18,87 e de 286,41 por cento, respectivamente. Este crescimento é essencialmente resultante de uma melhoria no preço do petróleo nos mercados internacionais, sendo que as quantidades exportadas não têm registado alterações significativas.

Receita não petrolífera
A receita não petrolífera, constituída por receitas diamantíferas, alfandegárias, de capital e outros impostos, representam menos de metade do total das receitas fiscais, facto que se regista desde o primeiro trimestre de 2017.
No período em análise, esta rúbrica atingiu o montante de kz 286.264,90 milhões, tendo registado uma redução de 10,96 e de 15,79 por cento em termos trimestrais e homólogos de 2016, respectivamente.
Relativamente às despesas totais, estas situaram-se em kz 2.094.607,89 milhões, o que representa um aumento de 26,79 e de 39,97 face ao trimestre anterior e homólogo. A categoria de serviço da dívida, que representou um aumento de 21,85 por cento, foi a que mais contribuiu para este incremento no trimestre, seguido da despesa transitada com um aumento de 41,84 e a despesa corrente que teve um incremento de 7,11 por cento.
Relativamente às componentes das despesas correntes, a categoria despesas com pessoal registou um aumento de 15,65, situando-se em linha com o programado, devido ao pagamento das últimas três parcelas do 13º salário.
No entanto, o serviço da dívida está maioritariamente concentrado na despesa com a dívida interna (80,18 por cento do total) que no período em análise registou um aumento de 34,56 devido a apetência das Obrigações do Tesouro indexadas à taxa de câmbio, face a uma perspectiva de desvalorização. A liquidação da dívida externa registou uma redução trimestral de 11,85por cento, mas quando comparada ao mesmo período do ano anterior regista-se um aumento de 19,23%.