Finanças

Prestígio mostra contas

Instituição deverá ajustar-se aos normativos do banco central através da efectivação de um aumento do seu capital social

O aumento do Capital Social, ainda este ano, é dos maiores desafios colocados aos accionistas do Banco Prestígio, de direito angolano e sedeado em Luanda, conforme nota de parecer do auditor externo às contas da instituição.
No relatório, recentemente, divulgado, o auditor independente, Ernst Young, advoga toda a necessidade de o Banco Prestígio ajustar-se às normas bancárias,  realçando em primeira instância a do capital social mínimo que foi alterado para o equivalente a 25 milhões de dólares (na altura 2,5 mil milhões de kwanzas), conforme directiva do Banco Nacional de Angola (BNA).
Outra das notas de realce, ainda no decurso na actividade do Banco Prestígio em 2016, está no facto deste ter tomado várias iniciativas, visando o seu ajustamento às regras de governação corporativa, controlo interno e do processo de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo. Dentre as várias medidas, o parecer do auditor reconhece uma afinada melhoria às funções de monitorização do sistema de controlo interno do banco.
Sobre as contas propriamente, o relatório de balanço do Banco Prestígio, em 31 de Dezembro de 2016, regista um resultado liquído de 36.028 milhões de kwanzas, os quais incluem os capitais próprios de 2.021 triliões, num total de 18.525.
Estes dados superam de longe os -515.019 milhões de kwanzas em registo e que transitam do exercício financeiro de 2015.
De acordo com o relatório e contas atestado pela presidente da Comissão Executiva, Maria João de Almeida, em 2016, o resultado operacional do banco (o lucro obtido depois de deduzir-se da receita líquida o custo do serviço ofertado) foi de 69.724 milhões de kwanzas aos quais deduziu-se os resultados não operacionais negativos 33.696 milhões de kwanzas.
No que diz respeito aos proveitos com as operações cambiais, o banco mostrou um registo de operações de 87.880 milhões de kwanzas. Já a prestação de serviços financeiros fixou-se nos 81.905. Os proveitos de crédito do banco, no exercício de 2016, foram de 26.131 milhões de kwanzas, contudo abaixo dos 208.371 milhões concretizados em 2015.
No mercado, formalmente, desde 2015, o banco Prestígio surgiu na banca com o intuito de oferecer soluções inovadoras e diferenciadoras que respondam às necessidades do mercado, particularmente dos parceiros.
Na sua apresentação, o Banco Prestígio diz ter sido concebido para proporcionar tudo aquilo que merece a economia e os seus investidores, sendo por isso que decidiram designar-se por “Prestígio”, uma marca que quer simbolizar o dinamismo na contribuição do crescimento económico.

Resultado
da Ensa sobe 44 por cento

O resultado líquido da Empresa Nacional de Seguros de Angola (ENSA) cresceu mais de 44 por cento em 2016, com o valor líquido de mil e 13 milhões de Kwanzas (1.013 milhões), superando os 705 milhões de kwanzas de 2015..
Os referidos dados foram avançados nesta terça-feira, pelo presidente do conselho de administração da Ensa Seguros, Manuel Gonçalves, durante uma conferência de imprensa, promovida no âmbito das actividades comemorativas dos 39 anos a assinalar amanhã, dia 15.
Neste contexto, realçou o aumento de 11 por cento no valor de prémios em 2016, atingindo um valor total de 47, 6 mil milhões de kwanzas, proporcionado pelos produtos de saúde, acidentes de trabalho, petroquímica e automóvel.
Destacou o dinamismo da Ensa na gestão de fundos de pensões, tendo registado neste segmento de negócio um aumento de 20 porcento, totalizando 28 mil milhões de kwanzas, tornando-se deste modo, num dos maiores players do mercado.
“O elevado dinamismo e os sólidos resultados evidenciados traduzem-se num esforço significativo da solidez financeira da companhia”, disse.