Finanças

CPLP avalia banca no Lubango

A crise financeira e económica que o mundo vive, há 10 anos, está a expor os riscos a que estão sujeitas as instituições financeiras e as consequências de uma gestão inadequada desses riscos para o sistema financeiro e para a actividade económica em geral, disse o governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, na sessão inaugural do quarto encontro de auditoria, gestão de risco e compliance dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa (BCPLP).

A crise financeira e económica que o mundo vive, há 10 anos, está a expor os riscos a que estão sujeitas as instituições financeiras e as consequências de uma gestão inadequada desses riscos para o sistema financeiro e para a actividade económica em geral, disse o governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, na sessão inaugural do quarto encontro de auditoria, gestão de risco e compliance dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa (BCPLP).
Tal realidade, sustentou o governador, evidencia a necessidade do reforço dos modelos de governação corporativa e controlo interno. José de Lima Massano sustenta que “embora os vários países da CPLP tenham vivido a crise financeira de forma diferente e as realidades e desafios dos sistemas financeiros de cada país sejam diversos, bem como o ritmo das mudanças regulatórias, o caminho a seguir para criar um sistema financeiro mais robusto e resistente e evitar a repetição da crise financeira de 2008 está, em traços gerais, melhor definido”.
Organizado pelo BNA, o encontro, que hoje termina na província da Huíla, reúne vários gestores e técnicos de bancos do sistema financeiro angolano e representantes dos bancos centrais do Brasil, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.