Finanças

Combate ao crime económico tem agora maior visibilidade

O combate aos crimes económicos vão ganhar cada vez maior notoriedade em Angola face às mudanças que se vivem.

O combate aos crimes económicos vão ganhar cada vez maior notoriedade em Angola face às mudanças que se vivem.
No etender do director-geral do Serviço de Investigação Criminal (SIC), diante dos avanços tecnológicos e da cooperação policial internacional, não há foragidos da justiça que se possam manter escondidos do radar das polícias de todo o mundo.
Eugénio Pedro Alexandre disse, por outro lado, que crimes como peculato, branqueamento de capitais, burla por defraudação, fraude financeira, fuga ao fisco, contrabando, especulação, venda e garimpo de diamantes estão a aumentar em Angola.
Revelou também que há muita dificuldade no acesso a dados bancários de investigados, até certo ponto, por protecção das entidades bancárias aos investigados. Em muitos casos soube-se que há mesmo desaparecimento de histórico de muitos investigados.
Já Andrea Moreno, que preside o Capítulo Angola da World Compliance, entende que o país precisa afinar a sua legislação e seguir a linha de transparência que adoptou como forma de reconquiosta da reputação internacional.Esta semana, na 1ª Conferência Internacional sobre Fraudes e Delitos Económicos, que a World Compliance - Capítulo Angola realizou em parceria com o Serviço de Investigação Criminal (SIC), no Centro de Convenções de Talataona, em Luanda, especialistas em delitos e crimes financeiros de Angola, Portugal, Brasil e Espanha trocaram experiências sobre os programas de combate aos crimes contra as economias.