Finanças

Bancos comerciais angolanos registam bom desempenho no mercado português

A internacionalização da banca angolana tem produzido excelentes resultados em matéria de absorção de melhores práticas de governance, compliance, gestão do capital humano e a implementação de modelos que reconheçam a meritocracia, para além de ter um papel de “catalisador” e “dinamizador” de relações comerciais, de negócio e de investimento entre Angola e o resto do mundo.

A internacionalização da banca angolana tem produzido excelentes resultados em matéria de absorção de melhores práticas de governance, compliance, gestão do capital humano e a implementação de modelos que reconheçam a meritocracia, para além de ter um papel de “catalisador” e “dinamizador” de relações comerciais, de negócio e de investimento entre Angola e o resto do mundo.
Este processo é benéfico para o país, uma vez que acompanha e dinamiza a internacionalização das empresas angolanas, identifica e cria oportunidades de negócios cruzados. Muitos processos de expansão empresarial são protagonizados por bancos comerciais e de investimento, que ao estarem em vários mercados, estão em melhores condições de “fazer as pontes” necessárias e de juntar interesses comuns através da prestação de serviços de intermediação de operações entre bancos angolanos e a praça financeira internacional.
Além de Portugal os referidos bancos estão em prospecção de outras praças de referência para “criar a ponte” com a economia angolana. Apesar do clima económico menos favorável que afecta a economia angolana, afigura-se um excelente momento para uma maior abertura ao exterior, quer da banca quer dos clientes da banca, facto que pode promover a absorção de capitais angolanos no exterior e que poderiam alavancar os processos
de investimento em Angola.
O Atlântico-Europa, fundado em 2009 foi considerado, pelo 3º ano consecutivo, uma das 100 melhores empresas para trabalhar em Portugal, destacando entre os premiados marcas internacionais como a Embraer; BP; Santander (Seguros); Konika Minolta; Remax; Hotel Ritz
Four Seasons e a Mc Donald.
Nos últimos dias decorreu em Lisboa-Portugal, a entrega de prémios relativos à iniciativa “Melhores empresas para trabalhar 2017”, promovida pela revista Exame em parceria com a AESE Business School e a consultora Everis.
A iniciativa visou distinguir as organizações que, tendo um bom clima organizacional, se destacam pela sua atitude responsável perante os seus colaboradores e a sociedade.
Puderam participar neste estudo empresas com mais de 10 colaboradores e com um volume de negócio gerado superior a 2 milhões de euros.
O banco registou um resultado líquido de 6,9 milhões de euros, nos primeiros nove meses do ano, um aumento de 169 por cento, face ao lucro obtido em igual período de 2016. Obteve entre Janeiro a Setembro do ano em curso um retorno dos capitais próprios de 15, 4 por cento.