Especial

“Operação Resgate” reúne vários consensos quanto à sua utilidade económica

A implementação da “Operação Resgate” vai permitir que o sector económico ganhe um funcionamento credível e urbano. Os comerciantes que exercem a actividade legalmente deixarão de ter concorrentes desleais e o departamento ministerial do comércio, terá o controlo certo de pessoas que exercem a referida actividade.

A implementação da “Operação Resgate” vai permitir que o sector económico ganhe um funcionamento credível e urbano. Os comerciantes que exercem a actividade legalmente deixarão de ter concorrentes desleais e o departamento ministerial do comércio, terá o controlo certo de pessoas que exercem a referida actividade.
O JE saiu à rua para colher opiniões dos citadinos e as contribuições que estes entendem necessárias para o sucessos destas e outras medidas que têm em vista a reposição da legalidade e da autoridade do Estado.
A funcionária pública, Nazaré da Silva entende que haverá vantagens, porquanto ter-se-á um comércio mais urbano, além de se pôr termo a concorrência desleal entre agentes e os vendedores de rua. Ela é de opinião, por outro lado, que a fiscalização da actividade económica também vai aumentar.
Por sua vez, José Pinto, também funcionário público entende que as receitas para o orçamento do Estado vão aumentar com uma maior arrecadação fiscal. Por outro lado, a realização da feira para legalizar os comerciantes ilegais vai permitir aumentar também os agentes e ter melhor controlo dos mesmos.
Já o operário João Mário Sebastião, entende que muitas lojas, centros de jogos, cantinas que se dedicavam a lavagem de dinheiro vão parar e trar-se-a, com isso, robustez à economia, necessária ao desenvolvimento do país.
Adilson Dala é estudante e pensa que muitos comerciantes que incumprem a lei comercial, em claro prejuízo do Orçamento nacional, vão legalizar-se a ajudar no financiamento dos projectos económicos e sociais, face ao aumento previsto da receita pública.
Na opinião do armador Ladislau de Oliveira, com a “Operação Resgate” o roubo de carros vai diminuir, assim como a contrafacção, que passa ter os dias contados, para o bem da economia.
O advogado José Cangulo, também deu a sua opinião, e entende mesmo que as medidas implementadas no quadro da “Operação Resgate” vão proporcionar mais emprego aos nacionais e melhores oportunidades de fazer negócios. O versado em Leis acha ser esta uma excelente oportunidade para que Angola cumpra as normas do comércio vigentes na região austral/Sadc.
Os entrevistados foram unânimes de que a operação só peca por tardia, porquanto é preciso a reposição do Estado, mas também vejam nesta vontade pública um assumir de culpas e de responsabilidades, que fizeram com que neste período de tempo as pessoas pouco ouvissem ou respeitassem a figura do Estado.
Não menos importantes, entendem ser a necessidade de um amplo trabalho de esclarecimentos para que o lado da repressão não substitua o papel educador e mobilizador que se deve priorizar.

Nazaré da Silva
Funcionária Pública
Haverá muita vantagem com a operação, pois teremos um comércio urbano. Vai terminar a concorrência desleal entre os agentes e os vendedores de rua e vai aumentar a fiscalização da actividade económica 

João Mário Sebastião
Operário
MUITAS LOJAS, CENTROS RECREATIVOS, CASAS DE JOGOS, CANTINAS QUE SE DEDICAVAM À LAVAGEM DE DINHEIRO VÃO PARAR E VAI TRAZER ROBUSTEZ à ECONOMIA QUE PRECISA PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS

Ladislau de Oliveira
Armador
COM A OPERAÇÃO, O ROUBO DE CARROs DIMINUIRá, ASSIM COMO A CONTRAFACÇÃO TEM OS DIAS CONTADOS PARA O BEM DA NOSSA ECONOMIA E OS GATUNOS VÃO PARAR

José Pinto
Funcionário Público
as receitas para o orçamento do estado vão aumentar com arrecadação de receitas. A realização da feira para legalizar os comerciantes ilegais vai permitir aumentar os agentes e ter melhor controlo dos mesmos

Adison Dala
Estudante
MUITOS COMERCIANTES QUE INCUMPREM A LEI  COMERCIAL PREJUDICANDO ORÇAMENTO PARA EXECUTAR PROJECTOS ECONóMICOS E SOCIAIS DEIXARão DE O FAZER E ENGROSSAR A FASQUIA DO DINHEIRO PÚBLICO

José Cangulo
Advogado

HAVERÁ MAIS EMPREGO PARA OS NACIONAIS E OPORTUNIDADE DE FAZER NEGÓCIOS. pODEREMOS DESTA FORMA CUMPRIR COM AS NORMAS DO COMÉRCIO VIGENTES NA SADC