Especial

Consignação das obras aponta metas

O Executivo angolano exige que as empresas contratadas devem cumprir com o tempo estabelecido para que as obras sejam terminadas e facilitem a circulação mais fluída por formas a se evitar dificuldades.

Para cumprir com rigor, as metas traçadas pelo Executivo angolano e facilitar a mobilidade rodoviária em Luanda, foram seleccionadas “a dedo” as empresas que estão a participar na reabilitação das mesmas,
O Executivo mantém a exigência no cumprimento das metas, qualidade e durabilidade das obras. Todas as empreitadas devem ser entregues
no prazo de nove meses.
As obras foram adjudicadas a empresas que apresentaram todos os requisitos exigidos com um tempo de duração dos trabalhos previamente estimado.
Enquanto decorrerem as obras, os automobilistas terão algumas vias alternativas para desafogar o trânsito na cidade capital.
A construção da Estrada Via Expresso/Camama/Avenida Pedro de Castro Van-Dúnem “Loy”, incluindo a micro e macrodrenagem, o elevado nó Viário da Rotunda do cemitério do Camama e o binário na avenida Pedro de Castro Van-Dúnem, isto é, passagens superiores e inferiores numa extensão de 10,5 km estará a cargo da Mota Engil Engenharia África e será fiscalizada pela DAR Angola Consultoria e coordenada pela empresa Grupotec. O investimento está avaliado em 34.487.054.759.59 kwanzas.Os trabalhos que tiveram início este mês com duração de nove meses, recairão para três faixas de rodagem em cada sentido com canteiro central, passeios e lancis.
A rede contempla a macro e micro-drenagem, construção do nó rodoviário da rodunda do Camama, incluindo a obra de viaduto, construção de retornos ao nível, execução da iluminação pública, sinalização horizontal e vertical.

Eixos estruturantes
Já a reabilitação do eixo estruturante da Via Expressa Cabolombo/Cacuaco, execução dos nós viários da via expressa com a estrada do Camama e com acesso ao Zango e do binário de ligação da estrada do Camama com a via expresso até a Centralidade do Kilamba e resselagem da camada de desgaste numa extensão de 55 km.
A implementação está a cargo da construtora da China Railway 20, está a ser fiscalizada pela (JAUA transportes e logística) e coordenada pela Gruptec engenharia.
O investimento resultante da linha de crédito da China estimado em 38.468.612.520 kz.
Nesta via inclui-se a construção do Elevado nó viário no Zango, construção de elevado com duas faixas de rodagem em cada sentido, construção das alças dos acessos complementares ao sistema viário, sinalização horizontal e vertical.
Cabe a esta empresa a construção elevada no nó viário estrada do Camama/via Expresso, onde se construirá um elevado com duas faixas de rodagem em cada sentido, também com acessos complementares ao sistema viário sinalização vertical e horizontal.
A China Railway tende também erguer o binário da ligação do nó viário a via Expresso até a Centralidade do Kilamba, onde haverá a implementação de plataforma com duas faixas de rodagem em cada sentido, com canteiro central e bermas laterais, execução dos dispositivos de drenagem superficial e também a sinalização.
A mesma construtora tem a missão de melhorias ao longo da via Expresso Cabolombo/Cacuaco, rejuvenescimento da camada de desgaste, implantação da sinalização, recuperação da iluminação pública, reposição de guardas-laterais.
Está igualmente a reabilitar o eixo estruturante da EN230, execução do nó viário da Unidade Operativa e melhoria da via Expresso Luanda/Viana desde a rotunda da Unidade Operativa até o cruzamento da Via Expresso com 25 km está a ser reabilitado pela mesma empresa chinesa.
O valor empregue será de 31.747.659.528 kz o trabalho é o nó viário da Unidade Operativa que terá duas faixas de rolamento por sentido, construção da rotunda e acessos complementares ao sistema viário, sinalização, melhoria viária ao longo da Avenida Deolinda Rodrigues, com a construção de zonas de paragens para transporte colectivo, construção de vias de serviço em pontos críticos, ajustes na geometria nos entroncamentos com vias transversais, recuperação da iluminação pública e sinalização.
A melhoria do sitema de macro-drenagem na Avenida Deolinda Rodrigues, implantação de galeria rectangular em betão com ligação ao sistema
de drenagem e sinalização.
O troço do eixo estruturante da EN230, troço Viana/novo aerporto internacional de Luanda/Catete, incluindo a microdrenagem numa extensão
de 34 km cabe a China Railway.
O valor do investimento é de 49.898.394.147,20 kz vai de igual modo estabelecer iluminação pública, reabilitação do troço , construção de tres faixas, ligação das bacias de drenagem e retenção e outros para a melhoria do tráfego rodoviário.

Ganhos
A construção das infra-estruturas da zona da Boavista no município de Luanda, está a cargo da empresa TELHABEL Construções num investimento de 14.322.059.173,29 kz para erguer o acesso ao porto, estrada da Snils, e erguer um Nó na Boavista.
Os trabalhos estão também a incidir na duplicação da ponte sobre o rio Soroca e elevado da Rotunda da Boavista construção de elevado e acessos viários no Nó da rotunda com 1,33 km e construção da ponte sobre o rio Soroca.
A ponte sobre o rio Soroca com três faixas no sentido Cacuaco/Boavista, terá três faixas de rodagem no lote 2 da estrada da Sonils, duas no lote 1, acesso ao porto, três faixas no Nó da Boavista, viadutos, requalificação de iluminação, rede técnica e outros serviços.
Outra obra em curso é a que liga Boavista Sonils/Via expresso/ kifangondo, num investimento de 2.359.952.868 a cargo da Omatapalo. A via terá três faixas e inclui trabalhos técnicos para melhoria do trafego.