Entrevista

"As famílias precisam adoptar novos valores"

A igreja enquanto grupo de pessoas deve ter capacidade de influenciar os fiéis no seu seio e não só a olharem para o Natal como um momento de reflexão tendo em conta a sua missão de resgate

O pastor e responsável pela doutrina da igreja Assembleia de Deus Pentecostal do Ministério de Betel, no distrito urbano da Maianga, em Luanda, Jerónimo Chicucuma, entende que a mensagem do Natal deve ser autêntica e acima de tudo bíblica. Mesmo não havendo evidências nas Sagradas Escrituras de ser a data do nascimento do Messias, mas como assim se convencionou, defende que as sociedades devem respeitar as convenções. Por essa razão, apela a conservação do sentido espiritual da festa e que se afaste o excessivo peso comercial com que se celebra a data muitas vezes.

Que significado tem o Natal para as famílias, igreja e a sociedade em geral?
De facto, o Natal é uma data de reunião familiar. É preciso termos em conta que o nascimento de Jesus Cristo, apesar da operação divina com o milagre da concepção da virgem, ocorre no seio de uma família. Logo, há um peso muito significativo em como as famílias precisam abraçar a mensagem do Salvador. Já a igreja é o conjunto das pessoas alcançadas pela mensagem da salvação e é no nascimento de Jesus Cristo em Bélem da Judeia que o projecto de salvação inicia. A igreja é quem tem a missão de conservar o real sentido do Natal. Afastar os excessos e a influência do comércio para dar lugar a uma festa espiritual, pois a bíblia diz que um menino nos nasceu, um filho se nos deu e o principado está sob os seus ombros

O cenário comercial em torno da festa tira algum sentido espiritual à festa?
Tira claramente. Há quem pense na festa de Natal só com bolos, refrigerantes e outras comidas. A propaganda é tão intensa que as pessoas correm de cima a baixo em busca do melhor para comer, quando os caminhos de todos deviam dar a igreja a fim de prestarmos todos culto a Deus. Pois com o Natal dá-se o cumprimento da profecia sobre o resgate do homem que andou perdido.


Como a igreja e as famílias devem então celebrar o Natal?
Como disse é preciso reverenciarmos a Deus, pois o plano de vir buscar o perdido é Dele. A igreja enquanto grupo de pessoas deve ter capacidade de influenciar as famílias no seu seio e não só a olharem para o Natal como um momento de reflexão, sobretudo pela sua conduta e no seu papel de resgate da sociedade perdida.

Para celebrar-se o Natal as pessoas devem ter roupas específicas?
Diria que as pessoas precisam de roupa nova se for no sentido espiritual e figurado, ou seja, as pessoas devem mudar de atitude. Tomar uma nova atitude, como diz a Bíblia, devem nascer de novo. Nunca pervertermos o sentido original trazendo a indústria das confecções com a sua moda à cabeça das festividades do Natal.

E sobre a comida?
Também entendemos ser outra das mensagens comerciais que se introduziu na festa de Natal. Aliás, acredito que na época em que Jesus Cristo nasceu as pessoas comiam de tudo e em nenhum momento falava-se da ceia, do bacalhau ou doutros ingredientes.

Como é que Angola precisa encarar o Natal até tendo em conta o actual contexto económico?
Felizmente o contexto económico está a ser aproveitado de forma positiva para se passar uma mensagem de contenção. As famílias têm de pensar no dia de amanhã e não permitir que a quadra festiva gaste todos os recursos financeiros disponíveis, até porque , diz-se, que o mês de Janeiro é longo. Há que pouparmos e seguirmos a vida com normalidade.

No Natal os valores Paz, Fraternidade e União dominam os apelos feitos. Há razões especiais?
De certeza, porquanto o profeta Isaías fala de que o nome do menino é Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz. Logo, a igreja prega o amor, a paz e a união entre os irmãos. Amar ao próximo é um dos mandamentos.

O que não seria recomendável pensar ou procurar obter nesta época festiva?
As festas muitas vezes dão lugar a devassidão ou seja não são poucos os que aproveitam os momentos festivos para passar dos limites. O Natal é uma ocasião para reconciliação com Deus, com o próximo e consigo mesmo. E tudo o que é honesto, de boa fama e que tem algum conforto é nisso que se deve pensar.

Um apelo aos fiéis e famílias de todos as partes da humanidade?
As famílias precisam adoptar novos comportamentos e valores que dignificam o sentido de estar nesta vida. Precisamos perceber que a vida do homem é de poucos dias e, logo-logo, todos hão de comparecer para juízo perante ao seu Criador.

SERVO HUMILDE

Nome: Jerónimo Chicucuma
Estado civil: Casado
Função eclesiástica: Pastor
Denominação: Assembleia de Deus Pentecostal em Angola
Filhos: 6
Formação teológica: Curso médio de teologia e várias especializações
Formação académica: Licenciado em Psicologia

Como encara a liderança?
Uma condição necessária de quem consegue influenciar outros a seguirem seus ideiais

O que mais o preocupa na  sociedade de hoje?
A fraca disposição das pessoas em atenderem ao chamado divino e a forte influência do mundo com os seus valores