Entrevista

Angola e França reforçam cooperação na investigação

A cooperação entre Angola e França no domínio da investigação agro-alimentar e veterinária poderá ser incrementada nos próximos tempos, para responder aos desafios do país de diversificar a economia, anunciou em Malanje, o docente da Montpellier SupAgro (instituição superior de formação agrícola de França) Guillaume Baud.

A cooperação entre Angola e França no domínio da investigação agro-alimentar e veterinária poderá ser incrementada nos próximos tempos, para responder aos desafios do país de diversificar a economia, anunciou em Malanje, o docente da Montpellier SupAgro (instituição superior de formação agrícola de França) Guillaume Baud. A referida cooperação, que a nível da província já permitiu a construção do ISTAM (Instituto Superior de Tecnologia Agro-alimentar de Malanje), pretende reforçar a componente formativa de docentes e discentes, prevendo-se a disponibilização de bolsas de estudos para mestrado e doutoramento em instituições superiores francesas ligadas ao sector agro-alimentar. Ao falar em nome dos peritos franceses, Guillaume Baud disse que para tal, o grupo procede desde segunda-feira (29), um levantamento da realidade da formação agrícola no país, para posterior definição de prioridades, visando a dinamização dos aludidos eixos de colaboração. De acordo com o técnico, esta cooperação poderá dar vazão à pesquisas aplicadas às necessidades do país, no tocante à transformação da produção agrícola, o que requer a formação de recursos humanos qualificados. Na ocasião, o director-geral do ISTAM (Instituto Superior de Tecnologia Agro-alimentar de Malanje), Guilherme Pereira, sublinhou que com essa cooperação o país sairá a ganhar, na medida em que vai dinamizar o sector agro-alimentar. Referiu que as instalações do ISTAM, cuja construção e apetrecho foram financiados pela França, ainda carecem de água e energia eléctrica, uma responsabilidade das autoridades governamentais. Sem tais condições, disse, o arranque das aulas na instituição estará condicionado, pois actualmente o ISTAM funciona em instalações provisórias, numa escola do segundo ciclo, comprometendo deste modo as aulas práticas. A delegação de peritos franceses é integrada pelo conselheiro Agrícola da França para a África Austral, docente da Montpellier SupAgro (instituição superior de formação agrícola de França), e o encarregado agrícola da Embaixada de França em Angola. Em Angola desde segunda-feira, os responsáveis já visitaram instituições de investigação agronómica e veterinária do Huambo. Em termos de potencialidade economica, a França é um membro G8, grupo líder dos principais países industrializados. O país é classificado como a quinta maior economia do mundo e segunda maior da Europa em termos do PIB, com 39 das 500 maiores empresas do mundo em 2010, a França ocupa o quarto lugar no mundo e o primeiro na Europa na lista Fortune Global 500, à frente da Alemanha e do Reino Unido. Juntou-se aos onze outros membros da União Europeia para criar o euro em 1 de janeiro de 1999, substituindo completamente o franco francês no início de 2002. Tem uma economia mista que combina a iniciativa privada extensa (cerca de 2,5 milhões de empresas registadas) consubstanciais (embora em declínio).