Empresas

Reforma do Belas Shopping vai custar 24 milhões de dólares

O Belas Shopping está a investir cerca de 24 milhões de dólares norte-americanos, para alargar a sua área de exposição e vendas, de acordo com o seu presidente do conselho de administração, Vandré Spellmeier.

O Belas Shopping está a investir cerca de 24 milhões de dólares norte-americanos, para alargar a sua área de exposição e vendas, de acordo com o seu presidente do conselho de administração, Vandré Spellmeier.
O investimento naquele estabelecimento comercial está direccionado na construção de uma nova praça de alimentação, projecto cuja execução começou em Outubro último e está avaliado em cerca de nove milhões de dólares norte-americanos.
As obras, que incluem a reforma integral do interior do actual espaço, terminam em Junho de 2018.
A expansão do projecto contempla também um edifício de dois pisos, que albergará 15 lojas no primeiro e 80 no segundo, a ser edificado numa área de quatro mil metros quadrados e entrará em funcionamento no II semestre do próximo ano, contendo escadas rolantes,
fixas e elevadores panorâmicos.
Com o investimento em curso, que abarcará igualmente um ginásio, a área de venda e exposição do Belas Shopping passará de 17 mil para 21 mil metros quadrados.
Vandré Spellmeier disse que o centro comercial está apostado em apoiar o desenvolvimento do retalho formal em Angola, trazendo operadores e marcas internacionais para o país.
Em entrevista à Angop, a propósito décimo aniversário de existência do empreendimento assinalado este ano, o responsável salientou que, com isso, pretende ajudar o empresariado nacional, contribuir para o desenvolvimento do país e seu crescimento económico e garantir emprego a jovens.
“O nosso balanço é extremamente positivo porque conseguimos, em dez anos, apoiar o desenvolvimento do retalho formal em Angola, trazer operadores e marcas internacionais, apoiar o empresariado angolano e nós próprios crescermos e fazer vincar o nosso investimento (….)” – referiu o gestor.
Acrescentou que ao longo deste período registou momentos baixos e altos, destacando-se, pela positiva, a implementação do conceito do Belas Fashion, a aglutinação de várias lojas e serviços e o arranque das obras de ampliação e reestruturação do Shopping, no sentido horizontal e vertical.
Relativamente aos registos negativos, apontou exclusivamente a crise económica e financeira, que forçou o abrandamento de certos investimentos e a ponderação de alguns na assinatura de alguns contratos com empresas e marcas internacionais renomadas, entre as quais a Zara.
De acordo com o interlocutor, ao longo da última década, 2017 terá sido o ano mais difícil para todos os empresários angolanos, mas ainda assim o Belas Shopping (aberto em Março de 2007) conseguiu proporcionar momentos de lazer aos frequentadores e produzir uma revista
que descreve o seu percurso.
O PCA do estabelecimento pioneiro no país aplaudiu, na ocasião, o surgimento de novos concorrentes, visto que obrigará a uma actuação mais precisa das congéneres junto dos respectivos clientes, e descartou, por outro lado, a expansão desta grande superfície a nível
das 18 províncias do país.
“Por enquanto o nosso projecto é fazer do Belas a primeira opção das pessoas que vivem nas proximidades. Não temos neste momento a intenção de expandirmos a outras províncias, mas certamente que, a médio ou longo prazo, isso poderá materializar-se” – finalizou.