Empresas

Produção local de cereais é aposta do grupo Castel

Cinquenta milhões de dólares foram investidos em finais de 2016 pelo grupo Castel, detentor da fábrica e da marca Nocal, na aquisição de terrenos de três mil hectares, na província de Malanje, para produção de cereais, de modo a reduzir a dependência da importação destas matérias-primas.

Cinquenta milhões de dólares foram investidos em finais de 2016 pelo grupo Castel, detentor da fábrica e da marca Nocal, na aquisição de terrenos de três mil hectares, na província de Malanje, para produção de cereais, de modo a reduzir a dependência da importação destas matérias-primas.
O grupo empresarial, que já iniciou no princípio do ano em curso a plantação de cereais em cerca de 80 por cento do terreno, realizou este investimento com o propósito de dinamizar os recursos e a economia nacional e reduzir a importação da matéria-prima para produção da cerveja.
Em entrevista ontem à Angop, o director-geral da Nova Empresa de Cerveja de Angola - Nocal, Gilles Leclerc, afirmou que a importação constituiu uma dificuldade partilhada por toda a indústria de produção de bebidas do país.
No caso da Nocal, a fábrica, com uma produção mensal de cerca de 10 milhões de litros de cerveja, depende da importação de malte e lúpulo, assim como todas as peças para manutenção das linhas.
Ainda assim, referiu ser possível encontrar no país praticamente todas as matérias-primas necessárias, pois o grupo produz localmente o vidro, atas, rótulos, grades e caricas.
Actualmente compram o arroz e o açúcar, daí a dependência estar nos cereais.
Apesar dessa dificuldade, a Nocal tem a ambição de aumentar a produção em volume de 10 por cento até ao princípio
do I trimestre de 2018.
Com 570 trabalhadores, 90 por cento dos quais nacionais, a fábrica tem também como principal desafio a renovação da imagem da marca.
A fábrica tem como principais accionistas BIH – Brasseries Internationales Holding Limited com (50) e a Ucerba com igualmente (50).
O grupo Castel entrou na Nocal em 2005, tendo a sua entrada na estrutura societária resultado num enorme investimento para aumentar a capacidade de produção (instalação de novas linhas, manutenção das linhas existentes, bem como modernização da infra-estrutura).