Empresas

Odebrecht prevê abrir oito novas lojas

A multinacional Odebrecht, empresa que actua no sector da construção e engenharia prevê até final deste ano proceder a inauguração de 8 novas lojas, ampliação de 5 já existentes, bem como a entrada em funcionamento da indústria panificadora onde se pretende criar 550 

novos postos de trabalho.

 

A multinacional Odebrecht, empresa que actua no sector da construção e engenharia prevê até final deste ano proceder a inauguração de 8 novas lojas, ampliação de 5 já existentes, bem como a entrada em funcionamento da indústria panificadora onde se pretende criar 550novos postos de trabalho.

Avaliado em 28 milhões de dólares (3,3 mil milhões de kwanzas) o investimento inclui igualmente a ampliação da frota de distribuição, dentro da rede de supermercados de Angola (NRSA), segundo consta no seu “relatório anual 2014” à que o JE teve acesso.

Consta ainda do documento que a NRSA tem um papel importante na circulação e distribuição da produção nacional pela aquisição de frutas, legumes e verduras oriundos dos pequenos agricultores. “O volume de produtos nacionais comprado em 2014 foi de 4,5 milhões de dólares (543 milhões de kwanzas) o que tem contribuído para o desenvolvimento do sector empresarial, criação de empregos e crescimento da economia nacional”, lê-se.

Dados do comunicado indicam que o NossoSuper totalizou 34 lojas em 2014 das quais 12 em Luanda e 22 nas demais províncias do país, o que permitiu investir 12 milhões de dólares (1,4 mil milhões de kwanzas) na ampliação e modernização das lojas, cadeia logística, bem como a construção de uma cadeia de panificação e uma empacotadora de cerais para abastecimento de todas as lojas da rede.

Biocom
O projecto Biocom, detentora de um moderno parque agro-industrial produtor de açúcar, etanol e energia eléctrica com capacidade de servir o mercado interno de consumo e transformar o país num potencial exportador de açúcar, com fito de gerar benefícios na balança comercial e diversificação da produção local.

Por exemplo no ano passado destacou-se com a conclusão da fase de implementação e início da operação com uma cifra teste para adequação do processo industrial, exportação de energia eléctrica a partir da biomassa com a assinatura do contrato de venda com a Empresa Nacional de Electricidade (ENE) bem como a comercialização do açúcar Kapanda.

Com uma área de cultivo de 36.921 hectares o projecto consumiu, em 2014, 750 milhões de dólares (90 mil milhões de kwanzas) e gerou dois mil e 500 empregos directos e mil empregos indirectos. Contudo, na fase de maturidade que corresponde à safra 2019/2020 serão produzidas 256 mil toneladas de açúcar cristal branco, 28 mil m3 de etanol e exportado 235 GWH de energia eléctrica.

Belas Shopping
Inaugurado em 2007 e construído numa área de aproximadamente 25 mil m2, a Odebrecht investiu em 2014 dois milhões de dólares que incluiu o novo sistema de cancelas de estacionamento com máquinas de pagamento automático e trocas de ar condicionado. Na fase de construção do projecto foram criados mil e 500 empregos directos e 3 mil indirectos, sendo que aquele espaço destinado ao lazer conta com 88 lojas e mais de 24 quiosques.

“A previsão de início da expansão do Belas Shopping está aprazada para início do segundo semestre deste ano com duração de dois anos. O investimento total previsto para ampliação estima-se em 100 milhões de dólares (12 mil milhões de kwanzas)”, refere o comunicado.O conceito a ser implementado contempla instalação de até 100 novas lojas, uma nova praça de alimentação, uma gourmet, cinema vip, zona de entretenimento bowling, ginásio e duas lojas âncora de renome internacional, visitarão anualmente pelo menos 5 milhões de pessoas. 

Além disso, no projecto de expansão consta a duplicação da área bruta com um acréscimo de aproximadamente 16 mil m2, aumento do número de vagas de estacionamento para até 1.179 novas vagas adicionais distribuídas em dois níveis de deck-park. Com efeito, para este ano a empresa propõe-se também adoptar a excelência e qualidade nos seus produtos e serviços, ampliação da participação de quadros locais nos vários níveis de gestão de empresa, segurança e saúde no trabalho entre outros.