Empresas

INE realiza recenseamento geral agro-pecuário no próximo ano

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) vai realizar, em 2018, o recenseamento agro-pecuária e pescas, bem como um Inquérito sobre Despesas e Receitas e Emprego em Angola (Idrea), anunciou esta semana, em Luanda, o director do Instituto, Camilo Ceita.

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) vai realizar, em 2018, o recenseamento agro-pecuária e pescas, bem como um Inquérito sobre Despesas e Receitas e Emprego em Angola (Idrea), anunciou esta semana, em Luanda, o director do Instituto, Camilo Ceita.
O recenseamento agro-pecuário, com início previsto para o mês de Fevereiro, está dependente da aprovação do pacote legislativo por parte do Conselho de Ministros, enquanto para o Inquérito sobre Despesas, cuja duração será de 12 meses, a formação e o
inquérito piloto já começaram.
O director do INE discursava na abertura do Workshop sobre o dia africano de estatísticas celebrado anualmente a 18 de Novembro, que decorre com o tema “Vidas melhores com melhores estatísticas económicas”, sublinhado que em 2018 será realizado também o recenseamento empresarial
e de estabelecimentos.
Camilo Ceita disse que a estas actividades extraordinárias se adicionam a recolha mensal para os índices de preço no consumidor e índices de preços no grossista, inquérito trimestral à conjuntura empresarial, feito trimestral à conjuntura aos agregados familiares, bem como início do inquérito à construção e índice de preços no produtor (novos
produtos estatísticos).
Considerou que censos demográficos, habitacionais, agro-pecuárias e pesca auxiliam os governos a entender melhor a sua população e organizar os gastos com saúde, educação, saneamento básico, infra-estruturas, agricultura entre outros.
Já na economia, a estatística, a partir de um modelo teórico- económico estabelecido, tem como finalidade de investigar, com base e dados empíricos a capacidade de explicação das equações económicas ajustadas, avaliando a significância dos parâmetros de cada regressão, testes e de hipóteses globais.
Segundo o responsável, um outro desafio importante é o aumento da literacia estatística que deve ser um facto importante para o INE, de modo a melhor comunicar com a sociedade e com os usuários da informação estatística.
O director INE entende que os institutos de estatísticas devem ser capazes de explicar como é possível em temo de crise económica e financeira, quando “muitas empresas encerram as suas actividades e consequentemente surgem despedimentos, a taxa de emprego não apresenta indicações de decréscimo em mercados fortemente caracterizados pela economia informal,
como é o caso de Angola.
As estatísticas são indispensáveis para o desenvolvimento, monitoramento, análise e avaliação de políticas públicas.
“Isto coloca os institutos de estatística numa situação comparável a de todos os organismos públicos cuja tarefa é produzir informações, para apurar os factos e as relações entre estes factos, sendo usadas directamente na implementação de decisões políticas, fórmulas de indexação do salário mínimo, pensão e seguro social, taxas de juro entre outras”, disse.
O workshop sobre o dia africano de estatísticas celebrado anualmente a 18 de Novembro, que decorreu com o lema “Vidas melhores com melhores estatísticas económicas”, visou apresentar ao público resultados de produtos estatísticos, bem como estabelecer um fórum que promova o diálogo entre produtores e utilizadores de informação estatística oficial no país.