Empresas

Individualidades passam pela Filda

A Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, deslocou-se, na manhã de quarta-feira, à Feira Internacional de Luanda (Filda), na Zona Económica Especial (ZEE).

A Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, deslocou-se, na manhã de quarta-feira, à Feira Internacional de Luanda (Filda), na Zona Económica Especial (ZEE), em Viana, onde presenciou a cerimónia de abertura da Conferência Internacional sobre Financiamento do Desenvolvimento Económico e visitou, depois, algumas stands de empresas nacionais e estrangeiras. A Primeira-Dama não falou à imprensa, mas ficou explícita a boa impressão com que ficou do nível de organização do evento durante o diálogo que manteve com responsáveis da Filda e o secretário de Estado para a Economia, Sérgio dos Santos, que a acompanharam na visita guiada a stands, algumas das quais de empresas petrolíferas, onde interagiu com expositores nacionais e estrangeiros. Ana Dias Lourenço ficou até ao fim do programa da manhã de quarta-feira da conferência internacional, que teve três momentos, no primeiro dos quais o ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, fez o discurso de boas vindas e foram feitas duas intervenções, uma pelo representante da União Europeia em Angola, Ramon Reigada, e outra pela representante da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (CNUCED), Frida Youssef, que falou sobre o financiamento de infra-estruturas para o desenvolvimento sustentável. O discurso de abertura, feito pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, encerrou o primeiro momento do programa. No segundo momento do programa, o ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, dissertou sobre o tema “Investimento, empresariado privado e sua contribuição para a retoma do crescimento em Angola”. O último momento do programa foi reservado à assinatura de um Protocolo do Compacto Lusófono, cujo documento foi apresentado pela secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Portugal, Teresa Ribeiro, e pelo vice-presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Mateus Magala.

Outras presenças
Além da Primeira Dama da Republica, Ana Dias Lourenço, passaram pela Filda 2019, várias individualidades entre as quais o ministro da Agricultura e Florestas, Marcos Nhunga, o secretário de Estado para a Geologia e Minas, Jánio Corrêa Victor, o dos Transportes, Cruz Lima, o governador do BNA, José Massano, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Sebastião Martins, da Agência Nacional de Petróleos e Gás, Paulino Jerónimo, o presidente da FNLA, Lucas Ngonda e o embaixador de Angola na Guiné Equatorial, António Luvualu de Carvalho.
Da banca esteve, o administrador executivo do Banco BIC, Fernando Teles.

Dia dos Petróleos
A feira entra hoje, sexta-feira, no seu penúltimo dia, dedicado à indústria petrolífera.
Às 09h45, é realizado um fórum sobre “A contribuição do sector petrolífero para a dinamização da diversificação da economia”. O último dia da feira vai ser dedicado à Alemanha, segundo país, depois de Portugal, que trouxe o maior número de expositores. De Portugal vieram 22 empresas e da Alemanha 11.
A feira é encerrada à noite de com a realização da Gala Leões de Ouro Filda 2019, no Hotel de Convenções de Talatona (HCTA), onde vão ser premiados as marcas, empresas e os países melhor representados e feito o balanço do evento.
No total, estão na Feira Internacional de Luanda 785 empresas de 22 países, incluindo Angola, que tem o maior número de expositores. A Bielorrússia participa pela primeira vez.
No rol dos países convidados estão o Brasil, Indonésia, Suécia, Israel, Japão, França, Índia, China, Turquia, Reino Unido, Noruega, Suíça, Uruguai, Macau (China).