Empresas

Construção do Angosat-2 vai no quarto dia de trabalho

Arrancaram nesta terça-feira, em Mocovo capital da Rússia, os trabalhos para a construção do Angosat-2, para compensar o investimento de 320 milhões de dólares (70.6 mil milhões de Kwanzas).

Arrancaram nesta terça-feira, em Mocovo capital da Rússia, os trabalhos para a construção do Angosat-2, para compensar o investimento de 320 milhões de dólares (70.6 mil milhões de Kwanzas), pagos para a construção do Angosat-1, em órbita desde Dezembro último, mas sem sinal até à presente data. Segundo garantiu, recentemente, em Luanda, o chefe da delegação russa Frolov Petrovich, durante a conferência de imprensa para se esclarecer a operacionalidade do Angosat-1, o novo satélite será lançado em órbita em 2020, sem qualquer custo adicional para Angola. O chefe da delegação russa Frolov Petrovic não precisou o volume de investimento para a construção e lançamento do novo equipamento, sublinhando apenas que será superior em relação ao primeiro.

Fracasso
Frolov Petrovic aproveitou igualmente a ocasião para pedir desculpas aos angolanos pelo fracasso do Angosat-1, pois não encarada apenas como negócio, mas sim, uma forma de fortalecimento das relações entre os dois países. Por sua vez, o especialista em engenharia aeroespacial russa Igor Frolov, que liderou o projecto de construção do Angosat-1, explicou que o satélite levado em órbita pelo foguetão Zenit e lançado do cosmódromo Bai konur, no Cazaquistão, a 27 de Dezembro do ano passado, oito minutos depois do seu lançamento, o foguetão separou-se do bloco acelerador “Fregat”, que colocou o satélite na órbita terrestre, como previsto. Alguns dias depois, a indústria espacial comunicou à construtora RKK Energia a ausência do sinal com o satélite angolano. Para Igor Frolov que encabeçou a construção do satélite angolano explicou que é bem provável que as falhas tenham iniciado em 2006, pois até 2017 altura do seu lançamento às especificações do aparelho, não foram ajustadas à realidade actual. Para melhor esclarecer o que motivou o fracasso do Angosat-1 foi criada uma comissão de inquérito para avaliar o porque da ausência de sinal. Desde o seu lançamento as equipas em serviço registaram vários momentos de ausência de sinal entre as centrais da Rússia e da Funda, em Luanda. Os trabalhos de restauração do sinal têm sido feitos mais sem sucesso. Para não colocar os outros aparelhos geoestacionários em risco, os especialistas decidiram suspender os trabalhos de recuperação do sinal, até o dia 15 de Maio do corrente. Segundo o líder da comitiva Russa, caso se restabeleça a comunicação com o satélite, vai depender das autoridades angolanas, se aceitam ficar com o equipamento respeitando o que está estabelecido no contrato. Caso contrário, precisou, o equipamento passará a ser utilizado para ensaios e formação de recursos humanos.

Compromisso mantém-se
Por sua vez o Ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, assegurou que a construção, lançamento e exploração efectiva do satélite constitui uma prioridade do Governo angolano, no âmbito da construção das infra-estruturas do ramo das telecomunicações. O governante precisou que o país vai continuar a envidar esforços para alcançar esta meta.
Por outro lado, assegurou, que há compensações do sinal de satélite a serem feitas pela Rússia vão permanecer até o lançamento do Angosat-2 e tudo que se previa fazer com o Angosat-1 será feito. O ministro garantiu igualmente que o seu pelouro vai trabalhar para expansão do sinal da rádio, televisão e internet por todo o país, assim como assegurar os serviços de telemedicina, bem como programas do Ministério da Educação.