Empresas

Barragem da Matala consome Usd 120 milhões

Um total de 120 milhões de dólares norte-americanos serão investidos este ano pelo Governo angolano para a renovação de três turbinas e a consequente reabilitação da subestação e electrificação da Barragem Eléctrica da Matala, que dista 180 quilómetros a Leste do Lubango, província da Huíla.

Um total de 120 milhões de dólares norte-americanos serão investidos este ano pelo Governo angolano para a renovação de três turbinas e a consequente reabilitação da subestação e electrificação da Barragem Eléctrica da Matala, que dista 180 quilómetros a Leste do Lubango, província da Huíla.
O facto foi anunciado esta segunda-feira à imprensa, no Lubango, pelo ministro da Energias e Águas, João Baptista Borges, à saída do encontro com o governador João Marcelino Tyipinge, numa visita de poucas horas à província da Huíla, para avaliar o funcionamento
do sector que dirige.
O titular da pasta considerou que a reabilitação da mesma obedece duas componentes, sendo a primeira que constituiu o corpo de toda a infra-estrutura física, dado o estado em que se encontrava, deteriorada do ponto de vista de fissuras, pelo que teve que ser intervencionada, concluídas que estão as obras levadas a cabo por uma empresa canadiana.
A segunda, reforçou, passa por reabilitar a casa de forças que são as áreas onde estão instaladas as turbinas que produzem energia eléctrica, bem como a subestação que vai ligar o Lubango
à cidade de Moçâmedes.
“Esta parte será feita no âmbito da linha de financiamento com a linha de crédito com a Espanha, através de uma empresa espanhola e o financiamento já está aprovado. Este mesmo projecto deverá arrancar ainda este ano, e poderá gerar energia na ordem dos 30 megawatts e repovoar a produção anterior”, disse.
De modo geral, prevê-se efectuar um milhão de novas ligações de energia eléctrica em toda a província até 2022, correspondendo a 200 mil novas ligações anuais, isto é, para atender aquilo que é o objectivo que foi fixado pelo programa do Governo, atinente à promoção e ao acesso de 50 por cento da população do país
a beneficiar deste produto.
Referiu que com base nisso poder-se-á, igualmente, contribuir para a diversificação da economia do país, porque, em seu entender, a energia eléctrica fomenta a criação de indústrias e a geração de mais
empregos no seio da juventude.
Em relação ao aumento da produção e distribuição de energia eléctrica e água na centralidade da Quilemba, reafirmou que a situação está a ser resolvida, aguardando apenas o financiamento para o efeito, estando o projecto condicionado
por falta de verbas.
Durante a sua visita de oito horas à Huíla, o governante que se fez acompanhar da ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Carvalho, visitou o troço da estrada (Santa-Rotunda do João de Almeida), a via de acesso e a centralidade da Quilemba, as obras da Elecnor (centro da cidade), da Minhota e a barragem da Tundavala.