Empresas

Baía de Luanda acolhe edição da Filda

A Feira Internacional de Luanda (FILDA), maior bolsa de negócios do país, vai decorrer no próximo mês de Julho entre os dias 26 e 30 e tem como lema: Diversificar a economia e potenciar a produção nacional, visando uma Angola auto-suficiente e exportadora.

Durante a conferência de imprensa de apresentação do evento, a PCA do Instituto de Fomento Empresarial(IFE), Dalva Allen, em representação do ministro da economia, Abrahão Gourgel, afirmou que esta edição da feira será realizada na Baía de Luanda, numa organização do ministério da economia em parceria como promotor Eventos Arena.
Segundo Dalva Allen, as inscrições estão abertas desde quarta-feira última e todos empresários estão convidados a participar. “A primazia recaí às empresas cujas actividades se circunscrevem nos programas previamente traçados pelo Executivo, virados para os sectores primários(agricultura , pecuária, entre outros), com realce, também, àquelas que estão nos subsectores de programas dirigidos como a indústria transformadora “, informou.
Espera-se um universo de cerca de 200 expositores nacionais e estrangeiros e 15 países que foram convidados, entre europeus e africanos. O critério de acesso ao evento será feito através de convites distribuídos às empresas e à venda de ingressos no local do evento por mil kwanzas/dia.
Segundo o PCA da Arena Eventos, Bruno Albernaz, a feira é uma plataforma de negócios onde há encontro de empresários de diferentes nacionalidades com a intenção de mostrar o seu negócio e procurar excelentes oportunidades de firmar parcerias que podem dar lugar ao desenvolvimento deuma cadeia de produção.
Bruno Albernaz salienta que iniciativas do género devem ser incentivadas, pois a classe empresarial angolana se solidifica a cada partilha de experiência e a cada formalização de negócio gera mais postos de trabalho.
Segundo afirmou, a filda é um ponto de encontro de operadores e parceiros nacionais e estrangeiros, uma mostra das capacidades e potencialidades de Angola “e como tal uma iniciativa que se impõe no panorama nacional estimulando o aumento da capacidade produtiva e o lançamento de novas pontes económicas”, afirma Bruno Albernaz.