Capa

Projovem dá crédito a projectos viáveis

O Banco de Comércio e Indústria (BCI) já disponibilizou 3.723.890 mil milhões de kwanzas, no âmbito do programa destinado a créditos para jovens empreendedores angolanos (Projovem).

O Banco de Comércio e Indústria (BCI) já disponibilizou 3.723.890 mil milhões de kwanzas, no âmbito do programa destinado a créditos para jovens empreendedores angolanos (Projovem).
A informação foi avançada em exclusivo ao Jornal de Economia & Finanças pelo director nacional para Política Juvenil do Ministério da Juventude e Desportos, Kikas Machado, tendo adiantado que, até Dezembro de 2017, foram aprovados pelo BCI, um total de 226 projectos de investimento nas diferentes áreas da economia em todo o país, de modo a impulsionar o crescimento económico. Além do BCI, o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) e o Instituto Nacional de Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) certificaram as empresas.
O Projovem foi aprovado a 12 de Janeiro de 2017 pelas Comissões Económicas e para Economia Real do Conselho de Ministros, e visa financiar projectos dos sectores da hotelaria e turismo, indústria, agricultura, pecuária, prestação de serviços, Pescas, tecnologias de informação e comunicação, comércio e empreendedorismo cultural. O financiamento vai de 100 mil a 400 milhões de kwanzas, a ser reembolsado num período de 24 a 84 meses.
Com um total de 123 projectos de investimento aprovados, Luanda lidera o volume de projectos em curso, seguido pela província de Benguela com 28 iniciativas, Huambo, 16, Malanje e Huíla com 9 cada, depois vem a província do Bié com 5.
As províncias do Uíge, Zaire, Moxico e Cuanza Sul com quatro iniciativas aprovadas. Na penúltima posição está a província de Cabinda com três projectos aprovados e na última posição a província do Cuanza Norte com uma.
As províncias do Bengo, e Cunene aparecem na última posição com uma iniciativa cada. Sem nenhuma iniciativa empreendedora estão as províncias do Namibe e Cuando Cubango.
Kikas Machado não avançou as razões da ausência de financiamento a empresas confinadas nas províncias enunciadas.

Balanço
De acordo com Kikas Machado, um ano depois do seu arranque em Março 2017, estão em condições para se fazer o primeiro balanço pela Comissão Interministerial que integra a Juventude e Desportos e Economia e Planeamento.
O responsável mostrou-se optimista em relação às iniciativas de empreendedorismo apresentadas e acredita que os jovens angolanos vão dar o seu melhor para dignificar a confiança depositada pelo Estado.

Plano da Juventude
Ao longo da sua explanação, o responsável explicou que todas as políticas em curso no sector da juventude constam do Plano Nacional da Juventude que compreende 10 pontos essenciais. No OGE 2018, o plano tem uma verba alocada de 310.776.465 milhões de kwanzas. Está ainda em curso a elaboração o Plano Nacional da Juventude do quinquénio 2018 -2022.
O primeiro ponto, por exemplo, privilegia a política de emprego, formação profissional e aposta nas invenções do jovens na vida activa, assim com o apoio à criação de micro, pequenas e grandes empresas nos diferentes segmentos da economia nacional.

Facilidades
Além do Projovem, o Ministério da Juventude e Desportos tem vindo a monitorar o projecto “Meu Táxi” através do Instituto Angolano da Juventude. O projecto que surgiu para impulsionar o empreendedorismo no sector dos transportes atribuiu um total de 130 viaturas aos empreendedores em Luanda, tendo gerado emprego e bem-estar a muitas famílias angolanas, sendo este propósito com o qual se perseguia, além de facilitar a mobilidade na capital do país. Dois anos depois perto 70 viaturas “Meu Táxi” continuam a circular na capital do país.