Capa

Grossista e retalhista mostram dinamismo

Centro Logístico de Distribuição (CLOD) vai assegurar o bom funcionamento da cadeia no circuito comercial

O Executivo angolano está a imprimir uma nova dinâmica na economia com o anúncio das reformas que estão a ser feitas no sector do comércio.

Por sua vez, o Ministério do Comércio anunciou, recentemente, que está a trabalhar na reforma de instrumentos jurídicos legais para dar nova dinâmica aos Centros Logísticos de Distribuição (CLODs) e aprimorar os regulamentos sobre os Mercados Abastecedores (MAB).
No recém Conselho Consultivo, o ministro do Comércio, Joffre Van-Dúnem, disse que a aprovação do regulamento resulta da necessidade de estabelecer um novo quadro normativo para regular as relações comerciais exercidas de forma concentrada e num único espaço físico.
Estes regulamentos vão desde as acções comerciais grossistas, retalhistas bem como as outras que estão correlacionadas de acordo com a regulamentação das actividades económicas.
Joffre Van-Dúnem informou ainda que os mercados abastecedores são equipamentos colectivos como uma única unidade destinada a organização e comercialização de produtos alimentares e não alimentares de largo consumo diário, visando o abastecimento de grandes aglomerados populacionais que junto ao CLOD visam o funcionamento adequado da cadeia comercial.

Mercado abastecedor
Já para o director-geral do Centro de Logística de Distribuição de Luanda (CLOD), Jacinto João, o sistema de venda será o de grossistas, sendo que os retalhistas também terão o seu espaço, mas sob um maior controlo da administração.
Jacinto João fez saber ainda que, poderão concorrer a ocupação de áreas do CLOD, as cooperativas agrícolas, a sociedade civil, comerciantes e produtores agrícolas individuais que pagarão uma taxa, cujo valor dependerá da actividade que vão exercer.
Quanto ao mercado abastecedor do Benfica, em Luanda, o coordenador da comissão de gestão do mercado, Ângelo Machado, adiantou que o espaço de comercialização é reservado para a exposição, venda e prestação de serviços mercantis, onde poderão existir também roulottes, lojas, câmaras frigoríficas e a presença da banca.
Ângelo Machado afirmou que do regulamento sobre a organização interna do mercado abastecedor do Benfica, consta a realização de feiras periódicas, sob orientação da administração municipal de Belas.
Ângelo Machado explicou por outro lado que, os espaços de venda, serão atribuídos para um prazo de quatro semanas, findo o qual, deverá ser pago um novo valor de inscrição.
Sobre as práticas proibitivas no local, o coordenador revelou que no mercado abastecedor do Benfica será vetado o uso de altifalantes, à venda fora do local autorizado, fumar, ter produtos desarrumados, deitar lixo no recinto, entre outras práticas que concorrem para um ambiente pouco saudável.