Capa

Empreendedores africanos criam emprego e riqueza

O continente africano tem registado o surgimento de uma classe milionária composta por jovens empreendedores. Aos 41 anos, Mohammed Dewji, da Tanzânia, é o bilionário mais novo de África com USD 1,1 mil milhões (238,5 mil milhões de kwanzas). Ele é CEO do conglomerado de empresas de economia Metl, fundado pelo seu pai em 1970.

O continente africano tem registado o surgimento de uma classe milionária composta por jovens empreendedores. Aos 41 anos, Mohammed Dewji, da Tanzânia, é o bilionário mais novo de África com USD 1,1 mil milhões (238,5 mil milhões de kwanzas). Ele é CEO do conglomerado de empresas de economia Metl, fundado pelo seu pai em 1970.
Pesquisas feitas pelo JE indicam que os bilionários do continente têm a sua carreira de sucesso marcada por grandes esforços e dedicação durante a juventude.
A forbes contabilizou apenas duas mulheres bilionárias em África: a angolana Isabel dos Santos, com uma fortuna avaliada em USD 3,2 mil milhões (694 mil milhões de kwanzas) e a nigeriana Folorunsho Alakija com 1,7 mil milhões de dólares (368,6 mil milhões de kwanzas).
A lista dos maiores milionários de África divulgada pela Forbes e referente ao ano de 2017 incluiu apenas os bilionários africanos que vivem no continente.  
Há 21 bilionários na lista deste ano, que juntos têm uma fortuna de USD 70 mil milhões (15,1 triliões de kwanzas).
O magnata nigeriano do cimento, Aliko Dangote é outra pessoa mais rica de África pelo sexto ano consecutivo, com uma fortuna de USD 12,1 mil milhões (2,3 triliões de kwanzas). Entretanto, o património líquido do bilionário sofreu uma queda de USD 5 mil milhões (1,08 triliões de kwanzas) pelo segundo ano consecutivo.

Isabel dos Santos
A empresária angolana Isabel dos Santos detém no país e no exterior, um conjunto de empresas que vão garantindo o crescimento do seu património. A empresária é responsável pela geração de emprego em África e na Europa (sobretudo em Portugal) através participação societária em várias firmas lusas, em que se destaca empresas de telecomunicações, energia, banca e serviços.
Outro exemplo de dedicação, competência e sucesso está em  Angola na figura do cantor e compositor Anselmo Ralph.
Segundo dados levantados, o cantor chegou a arrecadar cerca de USD 500 mil (108,4 milhões de kwanzas)/ano, graças aos contratos milionários com a Samsung e Coca- Cola, além do contrato que o vinculava a Sony Music. Este valor não inclui os shows que promove em Angola, Portugal e noutros países.

Folorunsho Alakija
 A multimilionária nigeriana Folorunsho Alakija, que nascida em 1951, deu início à sua carreira enquanto empreendedora nos meados da década de 1970, como secretária do já extinto Merchant Bank da Nigéria. A sua maior oportunidade veio com o petróleo. Em 1993, o Govero do seu país deu a sua empresa Famfa Oil, licença de prospecção de crude. Já o magnata do ramo de diamantes, Nicky Oppenheimer é o mais rico da África do Sul e o segundo mais rico do continente. Com USD 7,7 mil milhões (Kz 1.6 triliões), ele mantém-se discreto desde que vendeu a participação da sua família na De Beers, empresa de mineração para a Anglo American, companhia do mesmo ramo, por USD 5,1 mil milhões (1,1 trilião de kwanzas) em 2012. Outro nigeriano que ocupa a terceira posição é Mike Adenuga, do ramo das telecomunicações com uma fortuna de USD 5,8 mil milhões (1,2 triliões de kwanzas).
 O magnata de luxo, Johann Rupert e o varejista Christoffel Wiese estão empatados como o segundo mais ricos da África do Sul, e ambos estão na quarta posição entre os bilionários mais ricos do continente, cada um com uma fortuna de USD 5,5 mil milhões (1,1 triliões de kwanzas. No Egipto, o mais rico é Nassef Sawiris, cuja fortuna de USD 5,3 mil milhões. Sawiris é dono da OCI, uma das maiores empresas de fertilizantes de nitrogénio do mundo. Atrás dele está o seu irmão Naguib Sawiris com uma fortuna estimada em USD3,7 mil milhões (Kz 802,4 mil milhões).