Capa

Casas no Bié viram centros de pesquisa

Os comerciantes naquela região Sul estão a apostar fortemente no negócio devido ao número constante de solicitações por parte da população mais necessitada 

O número de empreendimentos ligados à prestação de serviços de Internet, como cibercafé, está a aumentar paulatinamente em quase todas as sedes municipais da província do Bié, segundo apurou o JE.
O município do Cuito em particular tem verificado a existência de várias estruturas de pequena e média dimensão que são transformadas em cibercafé.
Do conjunto de tantos, encontramos o “Arcemília”, localizado na zona urbana da cidade do Cuito, que atende diariamente de 10 a 20 pessoas que vão à busca de conhecimento científico.
O gerente do cibercafé, de 25 anos, Laurindo de Oliveira disse que os estudantes são os principais usuários de Internet com objectivos particulares.
“Existem também funcionários públicos que procuram pelos serviços de Internet para elaborarem os seus relatórios”, disse.
O responsável do estabelecimento esclareceu que as receitas arrecadadas têm chegado a 100 mil kwanzas/mês.
O JE confirmou que os locais que dependem da internet utilizam na sua maioria os serviços da Angola-Telecom que oferece maior qualidade e facilita a economia.
António Domingos, gerente de um outro ciber, situado no Largo das Escolas no Cuito, disse que “o negócio é rentável porque facilita a pesquisa de muitos estudantes, professores e responsáveis de várias instituições”, acentuou.
Com cinco computadores instalados à rede de Internet da Angola-Telecom, para responder à procura, António Domingos aclarou que “o sinal de Internet nos últimos anos tem sido favorável no Cuito com excepção dos dias chuvosos”, lembrou.
Em relação ao sinal de Internet das operadoras móveis, os estudantes, funcionários e responsáveis de determinadas instituições públicas e privadas, afirmaram ser muito cara.
O estudante do curso de contabilidade e gestão da escola Superior Pedagógica, Manuel Chissola, salientou que os ciberes facilitam na pesquisa de vários conteúdos e chegam a ser mais baratos porque utilizam o sinal da Angola-Telecom.
Para o estudante universitário, a rede de Internet das operadoras móveis não satisfazem a capacidade financeira do cidadão, por isso, os estabelecimentos comerciais que utilizam a Internet facilitam a população em geral.

Nos municípios
A directora do Gabinete Provincial dos Transportes, Adélia Eduardo, que responde igualmente pelos serviços de telecomunicações no Bié disse ao JE que o projecto “Angola- On-line” vai estender o sinal em banda-larga para todas as sedes municipais.
O projecto é de âmbito central e visa melhorar o acesso à informação através das novas tecnologias actuais. Adélia Eduardo assegurou que o sinal da internet no Bié melhorou de forma considerável principalmente com os serviços da Angola-Telecom.
A responsável lembrou que o projecto ligado à extensão do serviço de banda-larga vai beneficiar toda a população de forma gratuita. Os nove municípios da província do Bié já possuem os pontos estratégicos para a implementação do sinal de internet através do projecto “Angola-on-line”, em banda larga.
A cobertura do serviço de internet implantada actualmente no interior da província apresenta algumas dificuldades, por isso, a implementação dos postos que visam a extensão do sinal nos pontos estratégicos das sedes municipais foram analisados.
Lembrou que a implementação do projecto começa ainda este ano. Adélia Eduardo recordou que as bibliotecas móveis e a Mediateca serão as prioridades na implementação do sinal de Internet para facilitar os serviços de investigação científica dos estudantes e a população em geral. “Actualmente, o mundo é das tecnologias e não é possível ignorar este serviço tendo em conta a dinâmica da vida”, sublinhou. Sobre a extensão do sinal de Internet, o município do Cuemba é o que mais apresenta dificuldades. Os órgãos de informação também dependem dos serviços de Internet na era das novas tecnologias, por isso, há necessidade de se estender o sinal para a melhoria dos serviços, declarou.