Capa

África firme na corrida para conquistar o espaço

Os primeiros satélites postos em órbita, segundo a história, foram o Sputnik I (4 out. 1957) e o Sputnik II (3 nov. 1957), lançados pelos soviéticos, agora russos, e seguidos pelo Explorer I (31 Janeiro de 1958), lançado pelos norte-americanos.

Os primeiros satélites postos em órbita, segundo a história, foram o Sputnik I (4 out. 1957) e o Sputnik II (3 nov. 1957), lançados pelos soviéticos, agora russos, e seguidos pelo Explorer I (31 Janeiro de 1958), lançado pelos norte-americanos.
De acordo com pesquisa efectuada pelo JE, trinta países africanos dispõem, actualmente, de conexões de telecomunicação, informações sobre o satélite, graças ao projecto Rede Electrónica Africana, possibilitando o acesso a serviços de educação, telemedicina e telefonia.
Angola, ao lançar na última quarta-feira (26), o seu primeiro satélite, junta-se ao grupo africano que busca autonomia no sector das telecomunicações. Confira alguns dos países africanos com satélites lançados em orbita e as vantagens que obtiveram desta iniciativa.

Nigéria
A Nigéria colocou em órbita, em 2002, o seu primeiro satélite de teledetecção, tendo logo em seguida procedido ao lançamento de um satélite de telecomunicação denominado Nigcomsat-1,substituido um ano após por avaria pelo Nigcomsat-1R, tornando-se no primeiro país da África Subsariana a se lançar para a conquista do espaço.
Posteriormente, o país procedeu ao lançamento de outros dois satélites nomeadamente NigériaSat-2 e Nigéria Sat-X, que podem ser utilizados para gestão das florestas, a cartografia, vigilância de catástrofes naturais, para fins militares e de segurança dentre outros.
A Nigéria é, nesse sentido, um exemplo de como a tecnologia de satélites pode servir vários propósitos. E os benefícios não ficam pela Nigéria, nem mesmo por África, afectando vários parceiros.

Ghana
O Ghana, outro país africano, lançou, recentemente, em órbita, numa altitude
de 420 quilómetros, o seu primeiro satélite denominado GhanaSat-1. O satélite pesa apenas um quilo, foi desenvolvido por estudantes da Universidade “All Nations” de Koforidua e está a ser utilizado para monitorar o litoral do Ghana para fins de mapeamento e para criar capacidade em ciência e tecnologia espacial.

Egipto
Com o lançamento do Nilesat 101 em Abril de 1998, o Egipto tornou-se o primeiro país africano a ter o seu próprio satélite de transmissão directa de TV. Um segundo satélite, o Nilesat 102, foi lançado em 2000 e o sistema passou a transmitir mais de 150 canais de TV digital e a fornecer serviços adicionais, tais como transmissão de dados, internet e outros serviços.